Tesla é alvo de novo processo de injúria racial contra trabalhadores negros

A montadora enfrenta pelo menos 10 processos de discriminação racial generalizada ou assédio sexual.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
REUTERS_Tingshu-Wang
REUTERS_Tingshu-Wang

Denúncia contra Tesla envolve comentários e comportamentos racistas de colegas, gerentes e funcionário do RH.

Acessibilidade


Quinze atuais funcionários ou ex-trabalhadores negros da Tesla entraram com uma ação contra a fabricante de veículos elétricos ontem (30), alegando que foram submetidos a abuso racial e assédio nas unidades produtivas da companhia.

Os trabalhadores disseram que foram regularmente submetidos a comentários e comportamentos racistas de colegas, gerentes e funcionários de recursos humanos, de acordo com um processo aberto em um tribunal estadual na Califórnia.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O assédio, que ocorreu principalmente na fábrica da Tesla em Freemont, incluiu o uso de termos como “nigger” (forma considerada altamente pejorativa para se referir aos negros nos Estados Unidos) e “escravo”, além de comentários de cunho sexual como “gosta de bunda”, de acordo com o processo.

Além disso, “procedimentos operacionais padrões da montadora incluem discriminação racial flagrante, aberta e não mitigada”, apontam as acusações.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Alguns desses funcionários e ex-trabalhadores foram designados para cargos com maior exigência física na Tesla ou preteridos para promoções, segundo o documento.

De acordo com as acusações, Montieco Justice, trabalhador da parte produtiva da montadora em Fremont, teve o cargo imediatamente rebaixado ao retornar à Tesla depois de tirar uma licença autorizada por causa da Covid-19.

A Tesla não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da Reuters.

A montadora enfrenta pelo menos 10 processos de discriminação racial generalizada ou assédio sexual. Um deles é liderado por uma agência de direitos civis do Estado norte-americano da Califórnia.

Anteriormente, a empresa negou irregularidades e disse que tem políticas em vigor para prevenir e lidar com a má conduta no local de trabalho.

Na segunda-feira (27), um juiz federal da Califórnia ordenou um novo julgamento sobre os danos que a Tesla deve a um ex-operário negro que acusou a empresa de discriminação racial, depois que ele recusou uma indenização de US$ 15 milhões (R$ 79,72 milhões).

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: