Mundo dos celulares busca se reinventar

Regulamentação e pressão sobre os preços obriga operadoras de celulares a descobrirem novos caminhos.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
celular-istock

Reprodução/iStock

Acessibilidade


Buscando escapar de um ciclo de preços decrescentes e regulações rigorosas, grandes operadores de telecomunicações, da Vimpelcom a Telefónica, buscam se reinventar como participantes na internet para se livrarem da camisa de força de baixo crescimento da indústria.

Na próxima semana, o Congresso Mundial de Dispositivos Móveis, em Barcelona, apresentará companhias telefônicas em diversos estágios de aceitação de que o modelo de negócios previsível e de décadas da indústria, baseado na venda de pacotes de dados a milhões de pessoas, está perdendo força.

Por trás dos novos aparelhos e debates sobre implementações técnicas de redes, a maior feira anual de tecnologia da Europa terá grandes companhias telefônicas mostrando mudanças.

A espanhola Telefónica deve introduzir um plano amplo que chama de “4ª Plataforma” para ajudar consumidores e clientes empresariais a terem maior controle sobre seus dados, e não entregá-los para gigantes da internet como Google, Facebook e Amazon.

A operadora russa e de mercados emergentes Vimpelcom está rasgando muitas partes do livro de regras da telecomunicação para se refazer como uma grande da tecnologia no mundo dos aplicativos de mensagens, que cresce rapidamente.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A gigante norte-americana AT&T assinou uma série de grandes acordos para diversificar ao adquirir a Direct TV por US$ 67 bilhões e aguarda aprovação para comprar a Time Warner por US$ 110 bilhões.

“Regulações e pressão de preços sobre operadores de telecomunicações as forçam a buscar áreas adjacentes por novas fontes de receita e margens”, disse o advogado Tom Levine, chefe da divisão global de telecomunicações da Allen & Overy. “Não há um consenso sobre como fazer isto.”

(Por Eric Auchard e Sophie Sassard)

Compartilhe esta publicação: