Os perigos de passar muito tempo sentado

Quem passa em média 12 horas e meia não-ativas por dia é mais propenso a ter um ataque cardíaco.

Natalia Aarao
Compartilhe esta publicação:
Pessoas mais sedentárias são 14% mais propensas a ter um ataque cardíaco ou problema semelhante do que aqueles que são menos sedentários (iStock)

Pessoas mais sedentárias são 14% mais propensas a ter um ataque cardíaco ou problema semelhante do que aqueles que são menos sedentários (iStock)

Acessibilidade


Um estudo recente publicado na revista científica “JAMA” mostrou que pessoas sedentárias são mais propensas a ter um ataque cardíaco. O risco é ainda maior quando as pessoas passam mais de 10 horas de vigília todos os dias sentados, assistindo a televisão ou dirigindo.

Para a análise, os pesquisadores coletaram dados sobre mais de 700.000 pessoas, de nove estudos. Eles descobriram, após 11 anos de acompanhamento, que as pessoas que eram as mais sedentárias (cerca de 12 horas e meia não-ativas por dia) eram 14% mais propensas a ter um ataque cardíaco ou problema semelhante do que aqueles que eram os menos sedentários (cerca de duas horas e meia horas não-ativas por dia), mesmo após iniciarem práticas de atividade física.

LEIA MAIS: Novo estudo indica que caminhar durante o trabalho melhora a produtividade

Felizmente, uma segunda análise que incluiu dados sobre mais de 1 milhão de pessoas revelou que praticar 60 a 75 minutos de atividade física de intensidade moderada a cada dia parece reduzir o risco elevado de morrer entre as pessoas que passam mais de oito horas por dia sentado.

Os pesquisadores concluíram que é fundamental reservar algum tempo para a prática de atividade física.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

—————————————————————————————————————–

Natalia Aarao é médica pós graduada pelo Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), atua na área da clínica médica, da cardiologia e da Tomografia e Ressonância Cardíacas, sendo membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia e da American College of Cardiology. Trabalhou como assistente do Prof. Dr. Roberto Kalil filho e, atualmente, faz parte do Corpo Clínico dos Hospitais Albert Einstein e Sírio Libanês.

Natalia Aarao é uma colaboradora de FORBES Brasil. Sua opinião é pessoal e não reflete a visão editorial de FORBES Brasil.

Compartilhe esta publicação: