Editora retira livro de Mandela após reclamações da família

Obra foi escrita – sem autorização – por Vejay Ramlakan, médico que acompanhou o ex-presidente da África do Sul em seus últimos anos de vida.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

A viúva e a família de Mandela reclamaram que o médico que escreveu o livro não tinha sido autorizado a fazê-lo (Getty Images)

Acessibilidade


A editora Penguin retirou nesta segunda-feira (24) das livrarias um livro sobre Nelson Mandela depois que a viúva e a família do ex-presidente da África do Sul reclamaram que o médico que o escreveu não tinha sido autorizado a fazê-lo, de acordo com a mídia local sul-africana.

LEIA MAIS: Conheça o livro recomendado por Bill Gates, Mark Zuckerberg e Barack Obama

Mandela morreu aos 95 anos, em 2013, após uma prolongada doença, e o médico Vejay Ramlakan detalha o final de sua vida no livro “Mandela’s Last Years” (“Os Últimos Anos de Mandela”).

À época, especulou-se que Mandela dependia de aparelhos para sobreviver e era mantido vivo por razões políticas.

A viúva de Mandela, Graça Machel, não estava disponível de imediato para comentar, mas a agência de notícias sul-africana Eye Witness News disse que ela estava consultando seus advogados sobre a possibilidade de processar Ramlakan.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A agência também disse que o neto de Mandela e líder do clã familiar, Mandla Mandela, apoiou a decisão de Graça de ingressar na Justiça.

VEJA TAMBÉM: O livro que, segundo Bill Gates e Warren Buffett, você precisa ler

O porta-voz da Fundação Nelson Mandela, Sello Hatang, disse que o livro não deveria ter sido publicado e que a fundação não tem qualquer envolvimento com sua produção. Ele saudou a decisão da editora de removê-lo das livrarias. “Neste momento estamos avaliando sistematicamente o livro. Quando terminar, iremos publicar uma lista de imprecisões”, afirmou. “As indicações da Sra. Machel, no momento, são de que houve uma quebra da confidencialidade médico-paciente e nós acreditamos que ela está em seu direito de buscar a Justiça”, acrescentou Hatang.

Em uma entrevista ao canal de televisão eNCA no domingo, Ramlakan disse que havia recebido permissão para escrever o livro da família de Mandela, mas não disse especificamente de quem.

Nenhum porta-voz da família de Mandela estava disponível para comentar.

Compartilhe esta publicação: