Testamento oferece novo olhar sobre Marco Polo

Historiadores trazem mais fundamento à ideia de que o viajante esteve na China

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:

Réplica do testamento de Marco Polo é vista em Roma

Acessibilidade


No dia 9 de janeiro de 1324, o viajante, mercador e escritor veneziano Marco Polo se preparava para sua jornada final – o além-túmulo que ele, como cristão temente a Deus, tinha certeza existir.

LEIA MAIS: 17 famosos que morreram sem deixar testamento

Então com 70 anos, Polo chamou um padre e um tabelião à sua casa em Veneza para registrar suas palavras em latim em uma pele de carneiro de cerca de 67 por 27 centímetros.

Agora um estudo do testamento, feito por acadêmicos e historiadores ao longo de três anos, proporcionou um novo olhar sobre Marco Polo, além de mais fundamento à ideia muito comum de que ele visitou a China, questionada por alguns historiadores.

A Biblioteca Nacional Marciana de Veneza, que tem a guarda do testamento, copublicou um livro em formato grande que contém uma reprodução do pergaminho do testamento de quase 700 anos, incluindo marcas deixadas pela tosquia do carneiro e manchas de tinta do lado manuscrito.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A obra, intitulada “Ego Marcus Paulo Volo et Ordino” (“Eu, Marco Polo Desejo e Ordeno), foi produzida pela Scrinium, uma editora veneziana, e é direcionada sobretudo a colecionadores, interessados em história e bibliotecas.

 “A última ‘transcrição diplomática’ do testamento tem 150 anos”, disse Stefano Della Zana, diretor cultural da Scrinium, referindo-se ao termo usado pelos especialistas que estudam cartas e caligrafias antigas para produzir interpretações modernas. “Isso foi feito com as técnicas científicas mais recentes e padrões acadêmicos de filologia, por isso erros anteriores foram corrigidos”, explicou.

Compartilhe esta publicação: