Dados de 87 mi de usuários do Facebook vazaram

Estimativa inicial era de que as informações pertenciam a 50 milhões de pessoas

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Facebook informou hoje (4) que as informações pessoais de até 87 milhões de usuários podem ter sido compartilhadas indevidamente com a consultoria política Cambridge Analytica, ante estimativa anterior da mídia de mais de 50 milhões de usuários.

LEIA MAIS: 3 formas de lidar com a privacidade no Facebook

A maioria das 87 milhões de pessoas que tiveram seus dados compartilhados com a Cambridge Analytica, que trabalhou na campanha do presidente dos EUA Donald Trump em 2016, está nos Estados Unidos, afirmou o diretor de tecnologia do Facebook, Mike Schroepfer, em uma postagem no blog.

O Facebook disse que estava tomando medidas para restringir os dados pessoais disponíveis para desenvolvedores de aplicativos.

A maior empresa de mídia social do mundo tem sido castigada por investidores e enfrenta a raiva de usuários, anunciantes e legisladores depois uma série de escândalos sobre notícias falsas, interferência eleitoral e privacidade.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

No mês passado, o Facebook reconheceu que informações pessoais sobre milhões de usuários acabaram erroneamente nas mãos da Cambridge Analytica.

As ações do Facebook recuavam cerca de 1% nesta quarta-feira, a US$ 154,33. Desde o início do escândalo da Cambridge Analytica, as ações já recuaram cerca de 16%.

VEJA TAMBÉM: É possível contornar a crise do Facebook?

A estimativa anterior de mais de 50 milhões de usuários do Facebook afetados pelo vazamento de dados veio de dois jornais, o “New York Times” e o londrino “Observer”, com base em suas investigações sobre a Cambridge Analytica.

Schroepfer não forneceu detalhes de como o Facebook chegou à estimativa mais alta, mas disse que a rede social dirá às pessoas se suas informações podem ter sido compartilhadas de maneira imprópria com o Cambridge Analytica. A consultoria britânica nega qualquer irregularidade.

Compartilhe esta publicação: