Fãs serão tratados como terroristas no casamento real

Esquema de segurança do evento será semelhante ao de aeroportos

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:

Harry e Meghan vão se casar no dia 19 de maio na capela de Saint George no Castelo de Windsor

Acessibilidade


Quando mais de 100 mil fãs entusiasmados se reunirem para o casamento do príncipe Harry, do Reino Unido, com a atriz norte-americana Meghan Markle, a polícia britânica tratará todos como potenciais terroristas, vândalos ou obcecados pela família real.

LEIA MAIS: Não nos envie presentes, doe para caridade, pedem príncipe Harry e Meghan

Barreiras para impedir ataques com veículos, patrulhas armadas e esquema de segurança semelhante ao de aeroportos serão algumas das medidas empregadas no que será uma das maiores operações policiais que a pitoresca cidade de Windsor já viu.

“É um verdadeiro desafio”, disse Bob Broadhurst, um ex-policial que foi o comandante responsável pelo policiamento do casamento do irmão mais velho de Harry, William, com sua esposa Kate em 2011. “É impossível revistar dezenas de milhares de pessoas que fazem fila na rua. Qualquer uma delas pode ser um potencial terrorista ou obcecado pela família real – e há um grande número de pessoas assim. Ou apenas alguém que quer chamar atenção. É um desafio muito maior porque, basicamente, todo mundo naquela multidão é um potencial terrorista.”

Harry e Meghan vão se casar no dia 19 de maio na capela de Saint George no Castelo de Windsor, residência oficial da rainha Elizabeth, localizada cerca de 30 km ao oeste de Londres.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Compartilhe esta publicação: