Venda generalizada no setor de tecnologia pressiona Wall Street

Nasdaq registra sua terceira perda consecutiva de mais de 1% pela primeira vez em três anos.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

Os papeis do Facebook e Netflix caíram 2,2% e 5,7%, respectivamente

Acessibilidade


Uma venda generalizada de ações de tecnologia levou os três principais índices de Wall Street a fecharem em queda hoje (30), com o Nasdaq registrando sua terceira perda consecutiva de mais de 1% pela primeira vez em três anos.

VEJA TAMBÉM: Bovespa perde fôlego com fraqueza em NY

O índice Dow Jones caiu 0,57%, a 25.306 pontos, enquanto o S&P 500 perdeu 0,58%, a 2.802 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuou 1,39%, a 7.630 pontos.

O índice de tecnologia caiu 1,8% à medida que investidores se voltavam para outros setores ou realizavam lucros.

Os papeis do Facebook e Netflix caíram 2,2% e 5,7%, respectivamente, puxando as demais ações do chamado FAANG para baixo. Outros papeis do FAANG incluem Apple, Amazon.com e Alphabet. Mas as ações de tecnologia caíram por toda a bolsa, levando os três principais índices acionários dos EUA para território negativo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Nasdaq também viu acentuado crescimento no número de ações alcançando mínimas anuais. Hoje, 102 papeis listados no Nasdaq caíram para seu menor preço em um ano ou mais, 65 a mais do que o número comparável que alcançou novas máximas.

“Há enorme quantidade de dinheiro [em ações de tecnologia] e parte desse dinheiro está saindo ou movendo-se”, disse o analista-chefe de mercado da Phoenix Financial Services, Wayne Kaufman. “E nervosismo com tarifas está no lugar da frente”, acrescentou Kaufman.

LEIA: Mercado prevê que BC manterá Selic em 6,50% nesta semana

Com a temporada de resultados do segundo trimestre já para além da metade, analistas agora esperam que os ganhos do S&P tenham aumentado em 22,6%, acima da estimativa de 20,7% de 1º de julho. Das 270 companhias que reportaram resultados, 82,6% superaram estimativas.

Compartilhe esta publicação: