10 maiores vencedores e perdedores do Super Bowl 53

GettyImages
Os Rams perderam para os Pats, mas houve mais vencedores e perdedores no jogo da noite de ontem (3).

Eram esperados fogos de artifício no Super Bowl 53, que contou com um duelo entre a segunda e a quarta maiores equipes em pontuação do campeonato. O jogo concluiu mais uma temporada da NFL, a terceira maior em pontos em quase um século de futebol profissional.

VEJA TAMBÉM: Super Bowl: as cifras do maior evento esportivo do mundo

O over/under estabeleceu um novo recorde no Super Bowl – 56,5 pontos no início do jogo. Já na decisão, o New England Patriots e o Los Angeles Rams apresentaram, sem dúvida, a partida mais chata do campeonato nos últimos tempos. A vitória de 13-3 dos Patriots marcou, ainda, o jogo com a menor pontuação de todos os tempos, substituindo o do Super Bowl VI, quando o Miami Dolphins derrotou o Washington Redskins por 14-7.

Os Rams perderam para os Pats, mas houve mais vencedores e perdedores no jogo da noite de ontem (3). Veja, na galeria de imagens a seguir. os 10 maiores vencedores e perdedores da partida:

  • VENCEDORES

  • Tom Brady

    O jogo passou longe de ser o melhor desempenho de Brady. Ele fez uma interceptação ruim em seu primeiro passe e não conseguiu concluir um touchdown pela terceira vez em 37 jogos pós-temporada desde 2003. Mas a vitória adiciona mais ao legado do atleta. Brady e os Pats tinham dúvidas sobre a temporada, mas estão voltando para casa com o troféu Lombardi pela sexta vez desde que o quarterback entrou na liga – na sexta rodada, em 2000. Ele é o primeiro jogador da NFL com seis vitórias no Super Bowl. Ele é o GOAT, abreviação em inglês para “o maior de todos os tempos” (greatest of all times).

  • Bill Belichick

    Belichick tornou-se o treinador mais antigo a vencer um Super Bowl. Suas 31 vitórias em jogos decisivos são 11 a mais do que Tom Landry. Nove Super Bowls em 18 anos, incluindo seis vitórias, é uma conquista impressionante na era do agenciamento sem custo/ teto salarial. A NFL é construída para criar paridade, mas Belichick continua a desafiar as probabilidades com a dinastia Patriots. Ele ganhou 74% dos jogos na temporada regular com o time, e seu recorde de partidas decisivas é ainda melhor. As seis vitórias igualaram o recorde do Pittsburgh Steelers.

  • Tony Romo

    Romo limitou seus comentários na pré-temporada, o que ele fez tão habilmente durante o jogo do AFC Championship. Mas ainda assim o ex-jogador brilhou em uma partida com pouca ação ofensiva. Romo está em seu segundo ano como comentarista da “CBS” e será um profissional livre quando seu contrato expirar após a temporada de 2019 da NFL. É esperado que o ex-zagueiro do Cowboys receba um aumento salarial de US$ 4 milhões.

  • Julian Edelman

    O wide receiver começou a temporada de 2018 cumprindo uma suspensão de quatro jogos para os PEDs, mas terminou como jogador mais valioso do Super Bowl. Ele acumulou 10 catches para 141 jardas e era, aparentemente, o alvo de Brady toda vez que eles precisavam de um primeiro down. A sétima rodada de draft pick em 2009 poderia ter carimbado seu bilhete para o Hall da Fama com esta performance. Ele está entre os sete únicos wide receivers a vencer o MVP (jogador mais valioso) do Super Bowl.

  • Maroon 5

    Adam Levine e seus colegas de banda foram massacrados nas redes sociais durante sua performance. Isso era previsível no momento em que a banda aceitou ser a atração do intervalo, depois da recusa de outros artistas por causa dos protestos contra preconceito racial. Mas fazer esse show tem sido um bom negócio para artistas musicais, apesar de não ser pago pelo campeonato. Zack O’Malley Greenburg ganhou visibilidade ao apresentar-se no intervalo, assim como Bruno Mars e Justin Timberlake.

  • PERDEDORES

  • Stan Kroenke

    O dono do Rams acumula fortuna de US$ 8,5 bilhões, então perdedor é um termo relativo, mas “Silent Stan” teria adorado ter um título do Super Bowl para a inauguração de seu novo estádio de US$ 2,6 bilhões em 2020. É uma fórmula que os Patriots usaram para inaugurar o Gillette Stadium em 2002, depois de vencer o Super Bowl na temporada de 2001. A vitória ajudou os Pats a aumentar os preços dos ingressos, camarotes e patrocínios. O novo estádio sediará o Super Bowl 2022, e o Rams tentará ser o primeiro time a aparecer no Big Game em casa.

  • Jared Goff

    O quarterback Jared Goff completou apenas 50% de seus passes e levou o Rams a singelos três pontos depois de ajudar o time a conquistar pelo menos 23 pontos em todos, exceto um jogo, nesta temporada. Os Rams são treinados para competir nos próximos anos, e o escritório da equipe precisará decidir se Goff valerá um contrato de nove dígitos depois que seu acordo de iniciante terminar em 2020, assumindo que o Rams seja sua opção pelo quinto ano. Um Super Bowl na manga tornaria muito mais fácil comprometer-se com Goff a longo prazo.

  • Anúncios

    Escolher os anúncios é um ritual pós-Super Bowl, e a safra de 2019 proporcionou poucos pontos memoráveis. Nós ganhamos muitos robôs, aprendemos que Bud Light não tem xarope de milho e que a cerveja e “Game of Thrones” tinham um gancho de cruzamento que surgiu do nada. O anúncio da Verizon com Anthony Lynn, técnico do Los Angeles Chargers, falando sobre os primeiros socorristas que salvaram sua vida após ser atropelado por um motorista bêbado foi o ponto mais memorável. O anúncio da Stella Artois com “The Dude” e Carrie Bradshaw, bem como o comercial de comemoração de 100 anos da NFL, também fizeram sucesso.

  • “CBS”

    A Tiffany Network pode ter atraído uma audiência enorme para o jogo, mas ainda assim pode ser o primeiro Super Bowl com menos de 100 milhões de telespectadores desde 2009. A audiência do ano passado de 103,4 milhões caiu 6%. A combinação do cansaço dos Patriots, um jogo chato e a quantidade reduzida de público do Rams pode ter empurrado o número ainda mais para baixo, oferecendo uma audiência ruim para o lançamento do “World’s Best”, da emissora, transmitida depois do Super Bowl.

  • Todd Gurley

    O Jogador Ofensivo do Ano da NFL de 2017 falhou em ação para um segundo jogo de decisão. O running back correu por 35 jardas em 10 corridas com a bola, e seu único catch perdeu uma jarda. Ficou muito longe do jogador da temporada regular que acumulou mais de 1.800 jardas em 14 jogos. Seu treinador, Sean McVay, insistiu que Gurley estava bem. O Rams deu ao running back uma prorrogação de contrato de US$ 60 milhões em agosto, que estabeleceu novos recordes de montante garantido e média anual.

VENCEDORES

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).