5 dicas para superar uma falha e seguir em frente

Getty Images
O otimismo é um fator que auxilia na esfera do estudo e do trabalho

Resumo:

  • Especialistas sugerem que o otimismo é o segredo para a superação de desafios e contratempos;
  • Isso também pode significar resiliência, que torna alguém capaz de se recuperar rapidamente das dificuldades;
  • Pesquisadores vincularam o dinamismo acadêmico ao otimismo do local de trabalho.

Otimismo. É isso que os especialistas sugerem que seja o segredo para os estudantes se recuperarem dos contratempos acadêmicos e dos desafios típicos que enfrentam. Neste contexto, o termo também remete à resiliência acadêmica, que é uma característica comum no mundo da psicologia positiva. Quando uma pessoa é resiliente, ela é capaz de se recuperar rapidamente das dificuldades impostas pela vida e pela sociedade.

LEIA MAIS: Como transformar a falha da sua startup em sucesso

Mesmo que você não seja aluno – ou pai e mãe de aluno – vale a pena prestar atenção, pois os pesquisadores vincularam o dinamismo acadêmico ao otimismo do local de trabalho. Essa ligação psicológica pode ser a chave para gerenciar os desafios em todas as áreas – seja na universidade ou na carreira. Por isso, talvez valha a pena aprender um pouco mais sobre como podemos ser mais confiantes.

A vida acadêmica comum de um estudante envolve contratempos e desafios. O tempo é distribuído entre uma variedade de tarefas e obrigações: eles têm que atender a uma série de demandas e prazos, enfrentam pressões de provas e assuntos que acham mais complicados do que outros, e muito mais. À medida que envelhecemos e completamos os estudos, esses contratempos e desafios não param – eles apenas mudam da escola para o ambiente de trabalho. Pesquisadores descobriram que os alunos que são capazes de se recuperar dos desafios acadêmicos e do estresse estão mais bem preparados para enfrentar o ambiente corporativo, o que significa que essas habilidades se traduzem em otimismo profissional.

Mas quais são essas habilidades? Estudantes otimistas têm uma visão de curto prazo dos contratempos. Eles os encaram como temporários, não ameaçadores. Uma nota ruim, por exemplo, mostra em qual área ele deve melhorar – e não que será reprovado naquela matéria. Esse tipo de aluno tem certeza de que aquele obstáculo não vai durar para sempre e, em vez de lamentar, se organiza e mantém sua carga de trabalho.

A partir desse estudo, a conclusão poderia ser que o otimismo é um fator que auxilia na esfera do estudo e do trabalho. No entanto, sua ligação com a resiliência pode aumentar sua importância. Ser mais otimista significa construir uma resiliência de longo prazo – e isso é importante porque está intimamente ligado à saúde mental. Em uma recente análise de estudos neste campo, os pesquisadores concluíram que, quanto maior a resiliência, melhor o bem-estar.

VEJA TAMBÉM: Para ter sucesso, é preciso ter influência. Saiba como

Como podemos construir o otimismo no ambiente acadêmico? Em outra pesquisa, especialistas sugeriram cinco “Cs” para abordar o assunto. Apesar de ser direcionada para o cenário estudantil, não significa que não possamos examinar as ideias e ver se elas também podem nos ajudar a construir nossa confiança no local de trabalho.

Veja, na galeria de fotos abaixo, como podemos superar nossas falhas e seguir em frente:

  • Controle

    Quando os alunos têm uma compreensão clara de como o esforço e os planos afetam o sucesso e a conquista, é mais provável que se sintam no controle. E quando se sentem no comando de sua capacidade de aprendizado, encontram soluções e colocam em prática projetos que acreditam ser capazes de superar os desafios que enfrentam.

  • Calma

    Está relacionada aos baixos níveis de ansiedade e, consequentemente, a pessoas mais confiantes. Alunos que possuem essa característica acreditam que podem encarar desafios e reagir aos fatores de estresse sem enxergá-los como ameaças. Esses indivíduos se sentem mais seguros e tranquilos. Os mais ansiosos podem perder o foco, o que pode levá-los a uma sensação de ameaça e, como resultado, a uma reação pessimista.

  • Coordenação

    Estudantes com capacidade de coordenação criam planejamentos efetivos. Eles conseguem pensar com antecedência e dividir etapas maiores de trabalho em peças mais fáceis de gerenciar. Eles têm a capacidade de gerir o tempo de maneira eficiente e de se manter no topo da sua carga de trabalho, uma vez que dominam as estratégias que podem ser implementadas.

  • Comprometimento

    Estudantes comprometidos insistem em uma tarefa até que ela esteja completa. Otimistas têm noção de que o sucesso e a falha muitas vezes dependem de quanto tempo e esforço são investidos. Também é provável que eles estejam mais conscientes do fato de que um erro, assim como uma nota baixa em uma prova, não é sinal de outro futuro erro, portanto não impacta o comprometimento de uma nova tentativa.

  • Confiança

    A confiança está relacionada à autoeficácia do estudante, que é a crença em sua capacidade de ter sucesso em uma situação específica ou realizar uma tarefa. A firmeza desempenha um papel enorme na forma como os alunos abordam os trabalhos, os desafios e as situações de estresse que enfrentam. Os mais otimistas provavelmente têm níveis mais altos de confiança.

Controle

Quando os alunos têm uma compreensão clara de como o esforço e os planos afetam o sucesso e a conquista, é mais provável que se sintam no controle. E quando se sentem no comando de sua capacidade de aprendizado, encontram soluções e colocam em prática projetos que acreditam ser capazes de superar os desafios que enfrentam.

 


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).