5 passos para o Brasil reciclar seu lixo eletrônico

Getty Images
O Brasil produz em média 1,5 milhão de toneladas de lixo eletrônico por ano

Próxima cidade a receber os jogos olímpicos e paraolímpicos, em 2020, Tóquio, no Japão, terá medalhas criadas com lixo eletrônico. O país, conhecido tanto pela tecnologia de ponta quanto pela conscientização de sua população sobre os resíduos, já bateu a meta estabelecida para o uso de metais preciosos extraídos do lixo eletrônico nas condecorações que serão entregues na festividade esportiva.

VEJA TAMBÉM: Brasil é o 4º maior produtor de lixo plástico

Henrique Mendes, gerente de sustentabilidade da Abinee e coordenador de logística reversa de eletroeletrônicos da Green Eletron – entidade sem fins lucrativos especializada no assunto –, acompanhou de perto, na cidade de Yokohama, região metropolitana de Tóquio, a expertise dos japoneses ao participar da primeira turma do curso Designing of E-Waste Management Systems (Desenvolvimento de Sistemas de Gerenciamento de Lixo Eletrônico, em português), promovido pela JICA, Agência de Cooperação Internacional do Japão, em abril.

O conteúdo do treinamento realizado no país – que é, atualmente, o que mais recicla esse tipo de resíduos no mundo todo –, contemplou visitas técnicas em pontos de coleta e empresas recicladoras. Mendes também participou de apresentações de representantes do governo japonês, de gestoras de logística reversa locais e de empresas e governos de Taiwan, Malásia e Hong Kong.

O Brasil produz, em média 1,5 milhão de toneladas de lixo eletrônico por ano, que poderia voltar para a cadeia produtiva e gerar novos produtos. Quando levamos em consideração o volume mundial, chegamos a 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico anuais – material avaliado em US$ 60 bilhões.

Dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), agência integrante das Nações Unidas, dão conta de que apenas 20% do lixo eletrônico é formalmente reciclado em todo o mundo. “A reciclagem no Brasil tem potencial para criar uma nova indústria e impactar positivamente nossa economia. Temos diversas atividades e empregos que podem ser gerados em função desta cadeia que está se desenvolvendo, muito em função dos sistemas de logística reversa que estão sendo criados. Estamos ainda estruturando a infraestrutura para coleta e reciclagem de produtos como eletrônicos, pilhas e embalagens, mas, sem dúvida, esta é uma ótima oportunidade para incorporar os conceitos da economia circular neste modelo e aproveitar o potencial que temos para transformar o Brasil em uma referência no assunto”, diz Mendes.

LEIA MAIS: Com escassez de materiais, designers cubanos dominam a reciclagem chique

Veja, a seguir, 5 lições para ajudar a implementar iniciativas de reciclagem de lixo eletrônico no país sugeridas pelo especialista:

Controle dos dados

O primeiro passo para a gestão dos resíduos eletroeletrônicos é ter uma estimativa do total gerado no país. O Japão elencou quatro itens prioritários para realizar a coleta e a reciclagem. Destes itens, eles sabem exatamente a quantidade despejada no mercado e atualizam sempre a estimativa de resíduos. A partir daí saem as metas de coleta.

Cultura de economia circular

Os japoneses já internalizaram a mudança radical de ponto de vista e não conseguem mais enxergar produtos descartados como resíduo. Quase tudo é tratado como recurso a ser recuperado e a população tem uma atuação ativa neste sistema.

Legislação

As leis são revisadas em ciclos de cinco anos, para prever os aprendizados, ajustes e atualizações necessárias. As leis de resíduos são criadas pensando sempre em como recuperar os recursos e não apenas em como fazer a gestão tradicional de resíduos. Os japoneses buscam simplificar a operação (e licenças) para empresas que se cadastram em sistemas oficiais de coleta, promovendo a formalização dos atores da logística reversa.

Isonomia

Tanto no Japão, quanto em outros países que possuem modelos de gestão dos resíduos eletrônicos, mostrou-se fundamental a necessidade de ter um registro de todas as empresas que fabricam ou importam produtos que serão comercializados. Tal registro é fundamental para que todas as empresas demonstrem cumprimento às leis vigentes.

Respeito e conscientização

Os sensos de respeito e de organização dos japoneses realmente impressiona e são valores indispensáveis. O conceito de sociedade deles é tão forte que dispensa a necessidade de se criar uma série de leis. Eles mudam seus hábitos e agem de modo correto e honesto porque já compreenderam que é o melhor para a sociedade. Todos saem ganhando.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).