Amazon trabalha em regulamentação de reconhecimento facial, diz CEO

Jeff Bezos disse que há muito potencial para abusos com esse tipo de tecnologia.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Matt Winkelmeyer/GettyImages
Matt Winkelmeyer/GettyImages

“Nossa equipe de políticas públicas está realmente trabalhando nos regulamentos de reconhecimento facial”, diz Jeff Bezos

Acessibilidade


O presidente-executivo da Amazon, Jeff Bezos, disse que a equipe de políticas públicas da empresa está trabalhando nos regulamentos propostos para o reconhecimento facial, uma tecnologia incipiente que atraiu críticas à unidade de computação em nuvem da gigante da tecnologia.

LEIA MAIS: Amazon lança iniciativa de interoperabilidade de assistentes virtuais

“Nossa equipe de políticas públicas está realmente trabalhando nos regulamentos de reconhecimento facial, e faz muito sentido regular isso”, disse Bezos a repórteres no lançamento anual de dispositivos Alexa da empresa, em Seattle, na quarta-feira (25).

“É um exemplo perfeito de algo que tem usos realmente positivos, para que você não queira barrar. Ao mesmo tempo, há muito potencial para abusos com esse tipo de tecnologia, e você deseja regulamentações.”

Críticos apontaram para a tecnologia da Amazon e de outras empresas, que tiveram dificuldades em identificar o sexo de indivíduos de pele mais escura em estudos recentes. Isso gerou receios de prisões injustas se a tecnologia for usada por mais agências policiais para identificar suspeitos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Amazon enfrentou mais críticas do que as rivais em parte porque comercializou a tecnologia para a polícia e defendeu suas práticas. A empresa disse que todos os usuários de seu serviço, conhecido como Rekognition, devem seguir a lei.

O crescente interesse pela regulamentação ressalta o descontentamento nos Estados Unidos com a tecnologia, que as agências governamentais usam há anos e agora se tornou mais poderosa com o aumento das tecnologias de computação em nuvem e inteligência artificial. São Francisco e Oakland votaram este ano para proibir funcionários da cidade de usá-lo.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: