Startups surfam na onda do microaprendizado

Divulgação
Empresas como 12minutos, de Guilherme Mendes (foto), e LEO Learning trazem soluções em educação para pessoas com falta de tempo

Dispensar educação em pílulas é uma abordagem em alta que startups de tecnologia têm aproveitado para atender usuários atarefados em busca de formas fáceis de aprender.

Ferramentas que entregam conteúdos educativos, como podcasts, audiolivros e aplicativos, ganham cada vez mais espaço nos smartphones do brasileiro para encaixar educação em suas rotinas.

Uma startup que busca aumentar sua presença no espaço de microlearning, ou microaprendizado, é a mineira 12minutos, que tem mais de 1,5 milhão de usuários, que consomem seus resumos de quase mil livros de áreas como gestão e marketing nos formatos de texto e áudios de 12 minutos em português, espanhol e inglês.

O objetivo da ferramenta é explorar o aumento do interesse de brasileiros no formato, já que por meio dela é possível absorver ideias e conceitos em um curto espaço de tempo.

“Queremos mover a agulha do aprendizado. As pessoas têm uma relação muito ruim com a educação e vêem o processo como uma coisa muito maçante”, diz Guilherme Mendes, CEO do 12minutos.

“Ao mesmo tempo, as pessoas estão cada vez mais propensas a querer aprender algo novo sempre que aparece uma brecha de tempo e estão tornando isso parte de suas rotinas,” acrescenta.

Os títulos mais populares na plataforma incluem “O Poder do Hábito”, de Charles Duhigg, e “Gente que Convence”, de Eduardo Ferraz.

***

Criada pelo cofundador da Rock Content, Diego Gomes, a 12minutos foi inspirada em ofertas como o app alemão Blinkist, e agora está evoluindo para além de sumários de livros de desenvolvimento pessoal e profissional com conteúdo original.

A oferta de conteúdo original da plataforma inclui uma série sobre finanças pessoais em parceria com a fintech brasileira Magnetis e microlivros produzidos com a HSM, com um volume de Elias Awad sobre mudança de carreira e um título sobre soft skills, pela youtuber Adriana Cubas.

Além das personalidades digitais já confirmadas como parte da nova estratégia, a empresa espera trazer fenômenos da internet como Natália Arcuri, do canal de finanças pessoais “Me Poupe!”, para o seu cast de produtores de conteúdo.

***

Segundo Mendes, aplicativos como o 12minutos não deixam o usuário mais preguiçoso quanto à leitura. A ferramenta substitui o acesso a redes sociais e aplicativos de música.

O déficit de leitura do brasileiro é um problema real: segundo a pesquisa Retratos da Leitura, do Instituto Pró-Livro, apenas 30% afirmam gostar muito de ler.

Apesar do típico usuário do 12minutos ter um maior nível de instrução e recorrer ao app para complementar sua educação contínua, o argumento de Mendes é que o contato com o conteúdo tem o poder de aproximar mais usuários do hábito de ler: “Quem escuta os resumos está muito mais propenso a comprar um livro do que alguém que nunca teve contato com a leitura.”

“Queremos trazer para a realidade o conceito do microaprendizado, que vai além de resumir livros. É uma mudança de mindset, que faz com que pessoas comecem a entender que podem aprender o que quiserem e, consequentemente, serem o que quiserem.”

***

Aprender nas horas vagas também é um problema no contexto corporativo, no qual se enfrenta toda sorte de desafios, de reuniões e interrupções de colegas a longos expedientes. Isso aumenta a preferência por conteúdos de fácil consumo: 59% dos executivos seniores preferem assistir a um vídeo do que ler o texto se as duas versões estiverem disponíveis, segundo a Digital Information World.

Richard Uchoa Vasconcelos, fundador da empresa de educação corporativa digital LEO Learning, diz que o microaprendizado traz uma resposta digital para as demandas de desenvolvimento de profissionais em empresas.

“Levando em consideração o bombardeio de informações a que as pessoas estão sujeitas, o tempo que sobra para treinamento e desenvolvimento é de 24 minutos na semana,” afirma Uchôa, citando dados do relatório Future of Work, da consultoria Deloitte.

Uchôa desenvolve o projeto “Learningflix”, um Netflix da educação, no qual conteúdos em áreas como liderança são empacotados em web séries de 20 minutos, com o conteúdo em vídeo, entremeado com estímulos em diversos formatos como quizzes e texto. O programa é entregue seguindo uma metodologia de Harvard para o ensino à distância, que busca fazer o aprendizado se “fixar.”

“Em vez de entregar conteúdos em pílulas que as pessoas podem esquecer logo depois, busco apresentar problemas com o objetivo de despertar interesse e, assim, fazer com que o usuário contextualize a informação e, então, aprenda,” diz o fundador.

“Essa abordagem leva em consideração as limitações de tempo das pessoas, o foco de atenção cada vez mais curto e a dificuldade de processar conhecimento. É uma revolução da aprendizagem.”

***

Distrito inaugura centro de inovação em saúde no Hospital das Clínicas

A rede de centros de inovação Distrito inaugurou hoje um espaço de inovação aberto na área da saúde dentro do Hospital das Clínicas, em São Paulo. O espaço tem como objetivo aproximar o ecossistema de startups da criação de ideias escaláveis que atendam às necessidades do setor. Parceiros mantenedores incluem a Johnson & Johnson, AstraZeneca, Unimed e KPMG, esta última já parceira do centro de fintech da Distrito.

***

FGV e BNP Paribas discutem consultoria robótica em São Paulo

O papel dos consultores robóticos, ou robo advisors, na transformação digital será o tema de uma palestra organizada pela Fundação Getulio Vargas e pelo banco francês BNP Paribas em São Paulo na próxima quinta-feira (19). O debate conta com Laurent Bodson, PhD em Finanças e cofundador da fintech belga Gambit Financial Solutions.

 

Angelica Mari é jornalista especializada em inovação há 18 anos, com uma década de experiência em redações no Reino Unido e Estados Unidos. Colabora em inglês e português para publicações incluindo a FORBES (Estados Unidos e Brasil), BBC, The Guardian e outros.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).