Financiada pelo SoftBank, OYO acelera no Brasil

Getty Images
Na surdina, a startup indiana de hotéis baratos está contratando e fechando parcerias pelo país

A startup indiana de hotéis baratos OYO, que anunciou novo aporte com a participação do fundo japonês SoftBank nesta semana, cresce silenciosamente no Brasil.

O deal de US$ 1,5 bilhão terá uma estrutura incomum, que inclui US$ 700 milhões do fundador Ritesh Agarwal, com o VisionFund, veículo da SoftBank focado no setor de tecnologia e outros parceiros como a Lightspeed Venture Partners e Sequoia India contribuindo o restante.

Com o reforço de capital, o valuation da OYO, que já é a segunda maior rede de hotéis no mundo com mais de um milhão de quartos, chega a US$ 10 bilhões. Enquanto isso, a operação no Brasil, liderada desde abril pelo ex-gerente geral do Rio de Janeiro na Uber, Henrique Weaver, cresce exponencialmente.

Contratações recentes de peso incluem a ex-WebMotors Luiza Gomide para a diretoria de RH, Fernando Vargas, ex-CFO da rede de centros estéticos Espaçolaser, que hoje é VP na empresa indiana e Edson Lopes, que, assim como Weaver, também ocupava um cargo sênior na Uber e atualmente é diretor de operações na OYO.

Segundo uma fonte, a força de trabalho da empresa asiática no Brasil já se aproxima dos 1.000 funcionários.

***

Um estágio importante do modelo da OYO é a identificação de pequenos hotéis decadentes, porém com boa localização, que possam se tornar novos franqueados da empresa. As propriedades então passam por um “banho de loja”, com reformas nos quartos, troca de enxovais e instalação de Wi-Fi de boa qualidade. Dezenas de hotéis já foram e estão sendo reformados pela empresa em todo o país.

Um deles, o Novo Hotel Nacional, em Americana (SP), agora rebatizado como OYO Americana, passou pelo makeover há quatro meses. A Forbes apurou que houve uma redução de 20%-30% no valor das diárias neste hotel (R$170 em média, no final de semana) desde a reforma, bem como um aumento significativo no fluxo de hóspedes, resultado da melhoria nas instalações e dos preços mais baratos para os quartos, reservados através da plataforma da OYO.

Grande parte do efetivo da OYO são pessoas que desempenham o cargo que a empresa chama de “executivos de transformação”, funcionários encarregados de avaliar o estado de hotéis que podem ser aderentes ao perfil que a startup busca agregar à sua oferta, bem como acompanhar o trabalho e budget de reforma das propriedades de acordo com o layout branco e vermelho da empresa.

Este batalhão de executivos, que inclui pessoas com background de hotelaria tradicional, bem como arquitetos e engenheiros, estão presentes nos quatro cantos do país, em cidades como Araruama, no Rio de Janeiro até São José do Rio Preto no interior paulista, Fortaleza, Belo Horizonte e várias outras capitais brasileiras.

***

Mas o negócio de hotéis é só um dos aspectos do transatlântico que é a OYO, que quer dizer “On Your Own”, ou algo como “por sua conta”, em inglês, em alusão à automatização de processos que promete aos seus stakeholders.

A empresa, que emprega mais de 20.000 pessoas em sua operação global, já espalha seus tentáculos para outras áreas que vão desde negócios editoriais e compartilhamento de escritórios até a oferta de uma plataforma que cobre todo o processo de reforma, ocupação e administração de imóveis para aluguel.

Isso vai além da simples agregação e reserva de propriedades, algo já feito pela Airbnb, que, ciente do perigo oferecido pela startup indiana, tratou de se tornar sócia em abril deste ano.

***

A consultoria Hype 60+ realiza hoje o 1º Pitch de Influenciadores Digitais Maduros. O objetivo da ação, realizada como parte do projeto Silver Makers, é identificar as redes sociais desenvolvidas pelo público sênior. O evento, que acontece às 14h30 no Google for Startups Campus, em São Paulo, será transmitido ao vivo pelo portal Viveragora.tv.

***

A Universidade de São Paulo (USP) ganhou a competição para se juntar à IBM e Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) no que as instituições prometem que será o mais avançado Centro de Pesquisa em Engenharia em Inteligência Artificial (IA) do Brasil. O centro, que será sediado no Centro de Inovação InovaUSP, localizado na Cidade Universitária, em São Paulo, tem previsão de lançamento para o início de 2020. R$ 20 milhões serão investidos pelas instituições na próxima década, numa estrutura onde a USP fica com a conta de R$1 milhão por ano e a IBM e a Fapesp com R$ 500 mil cada. As pesquisas serão aplicadas a diferentes segmentos do mercado, com focos em recursos naturais, agronegócio, meio ambiente, finanças e saúde. A intenção é criar “avanços científicos significativos”, bem como formar pesquisadores e profissionais em IA.

***

A Associação Brasileira de Bancos (ABBC) está com inscrições abertas para a 2ª edição do Prêmio [email protected]. A iniciativa busca aproximar as mais de 80 instituições financeiras associadas à entidade da comunidade de fintechs. O tema de 2019 é open banking e até 25/10, startups podem sugerir ideias que integrem novidades à oferta dos bancos em áreas como portabilidade de cadastro, marketplace e pagamentos instantâneos.

Angelica Mari é jornalista especializada em inovação há 18 anos, com uma década de experiência em redações no Reino Unido e Estados Unidos. Colabora em inglês e português para publicações incluindo a FORBES (Estados Unidos e Brasil), BBC, The Guardian e outros.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).