Google ativa opção para pagamento de cartões de débito no Brasil

Objetivo da empresa é aumentar o uso de seus smartphones Android.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Charles Platiau/Reuters
Charles Platiau/Reuters

O Google não cobrará dos varejistas, emissores ou processadores de cartões pelo uso de sua plataforma de pagamento

Acessibilidade


O Google lançou hoje (14) uma função de pagamento com cartão de débito no Brasil através do Google Pay, em uma ação aumentar o uso de seus smartphones Android.

LEIA MAIS: Empresa do Google usa veículos autônomos para mapear Los Angeles

Os varejistas online no Brasil geralmente aceitam apenas cartões de crédito, e não débito, devido a um maior volume de fraudes nas transações à vista, um problema que o Google afirmou ter resolvido, sem revelar como ou dar estimativas sobre o número de transações que viabiliza.

João Felix, responsável pelo Google Pay na América Latina, disse que o Brasil tem 60 milhões de portadores de cartão de débito, enquanto os portadores de cartão de crédito somam 50 milhões. Ao ativar os pagamentos com cartão de débito, o Google aumenta seu mercado-alvo.

O Google não cobrará dos varejistas, emissores ou processadores de cartões pelo uso de sua plataforma de pagamento por débito. Felix disse que o objetivo da empresa é aumentar o uso do smartphone Android para diversos serviços.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os emissores de cartões Banco do Brasil, Bradesco e Itaú Unibanco permitirão que seus clientes utilizem a função de débito do Google Pay, bem como as redes de cartões Mastercard, Visa e Elo e mais dez plataformas online de comércio, como os aplicativos de entrega Rappi e iFood.

A iniciativa do Google ocorre quando empresas de tecnologia como o Facebook e a Amazon.com estão sob maior fiscalização de autoridades regulatórias pelo uso de dados do consumidor.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: