Fiat busca diversificação geográfica para apoiar inovação

Divulgação
Segundo André Ferreira, a tendência é encontrar expertise longe dos grandes centros urbanos do Sudeste

A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) busca uma descentralização de seus processos de inovação para garantir a diversidade nas respostas de seus desafios de produto.

Segundo André Ferreira, chief information officer da empresa sediada em Betim (MG), a ideia é expandir as opções de parcerias com o ecossistema de inovação, de aceleradoras a startups, para além da região Sudeste.

“É importante explorar diferentes polos para ter visões diferentes sobre um mesmo problema, para combater o risco do viés profissional, que acaba bloqueando outras percepções”, diz Ferreira.

O executivo aponta que, apesar de o Sudeste ser o epicentro do país, a empresa nota um crescente movimento de startups com escritórios comerciais em outros lugares.

“Agora estamos fazendo outras aproximações, com ecossistemas do interior, para entender onde existem oportunidades que possam fazer sentido para nós”, aponta.

“Estamos em Minas, muito próximos do que acontece em São Paulo, mas temos um relacionamento muito forte com o Nordeste, onde vemos um ecossistema muito rico para ser explorado.”

A FCA trabalha em “cada vez mais próxima” de núcleos parceiros como o Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (CESAR), em projetos em áreas como manufatura, em iniciativas que incluem aplicação de tecnologias de Internet das Coisas.

Pilotos executados no Nordeste, onde a empresa tem uma planta produtiva em Goiana (PE), incluem um desafio para o desenvolvimento de um algoritmo para distribuição e transporte. Segundo o executivo, o projeto que aconteceu naquela região teve uma “percepção nitidamente diferente”.

“[Profissionais no Nordeste] tem uma formação muito boa, de universidades de alto nível. Existem polos de excelência como o Porto Digital e diversas empresas grandes, como a Accenture, desenvolvendo cada vez mais pesquisa e inovação lá,” ressalta.

“Além disso, os profissionais estão muito próximos dos problemas cotidianos, percebemos que existe uma abertura muito grande para compor as soluções. Isso tem despertado nossa curiosidade”, aponta.

***

A FCA agora busca enxergar o que é possível fazer e avaliar as características específicas do ecossistema de inovação do Sul do país.

A companhia já tem relacionamentos com empresas com base estabelecida de pesquisa no Sul, como a SAP. Ferreira antecipa que isso ajudará a abrir portas: “Todo um ecossistema de startups é atraído para o contexto SAP, que ainda queremos explorar a fundo”.

Nos próximos meses, Ferreira espera que a descentralização dos esforços de inovação ganhe corpo por meio de mecanismos como o Nexos, um programa iniciado no mês passado em parceria com o Sebrae, para lançar desafios para startups sobre carro conectado.

“No contexto do Nexos, estamos refletindo sobre não focar em uma determinada região e uma das razões que nos fez optar [pela parceria com o Sebrae] foi a possibilidade de envolver startups de ecossistemas de todo o Brasil”, conta.

“Cada vez mais, teremos essa abertura de relacionamento não só com uma aceleradora ou polo, mas colocar problemas e buscar parcerias com vários pólos. O objetivo é ir atrás da competência onde ela estiver. Vamos evoluir desta maneira.”

***

A escola de programação e robótica Happy Code vai reunir cerca de 60 crianças e jovens entre 6 e 14 anos para participar, durante 4 horas, da maior competição de programação do país. É o que propõe o 3º Hackathon Internacional Infanto-Juvenil, que acontece neste sábado (9), em Moema, em São Paulo, das 14h às 18h. A maratona deste ano tem como tema “Games na Educação” e propõe o desenvolvimento de games ou aplicativos para estimular a aprendizagem. Os melhores times serão premiados com um Xbox One S 1TB, um Samsung Galaxy Tab e um Headset Gamer Razer.

***

Uma série de palestras sobre finanças na era Digital será realizada pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) como parte da programação da São Paulo Tech Week. O professor Marcio Wu, coordenador do Instituto de Finanças da instituição, apresentará um workshop no qual participantes serão convidados a investigar alternativas rentáveis de alocação de seus recursos com a ajuda das fintechs. O evento acontece no dia 25 de novembro, às 16h, no campus da escola, na Liberdade, em São Paulo.

***

Angelica Mari é jornalista especializada em inovação há 18 anos, com uma década de experiência em redações no Reino Unido e Estados Unidos. Colabora em inglês e português para publicações incluindo a FORBES (Estados Unidos e Brasil), BBC, The Guardian e outros.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).