Livelo aposta em parceria com estabelecimentos físicos e micro recompensas para crescer

Divulgação
Marcelino Cruz, diretor de relações comerciais e trade marketing da Livelo

Nascida da união das iniciativas de fidelidade do Bradesco e do Banco do Brasil, a Livelo ganhou vida própria e hoje conta com mais de 20 milhões de clientes em seu próprio programa de relacionamento, aberto para correntistas de qualquer instituição financeira e até para pessoas que não têm conta em banco ou cartão de crédito.

Ao longo dos últimos três anos, o programa firmou parcerias com um número expressivo de hotéis, lojas físicas e virtuais, companhias aéreas e players do entretenimento; costurou acordos especiais com varejistas para criar uma via de mão dupla e potencializar as transações; e criou soluções corporativas que hoje já fazem parte da política de incentivo de várias empresas.

Agora, o principal desafio é criar realmente uma cultura de acúmulo e troca por aqui. “Muita gente só lembra que faz parte de um programa desses na hora de pagar o cartão de crédito, quando vê a soma de pontos, ou nas férias, quando quer viajar”, diz Marcelino Cruz, diretor de relações comerciais e trade marketing da Livelo. “Mas, para aumentar o engajamento e fazer disso um hábito, é preciso estar no dia a dia das pessoas.”

Foi com esse objetivo que a empresa anunciou, no fim de setembro, uma parceria para que operações de crédito, débito e vale-refeição feitas nas maquininhas da Cielo se transformem em pontos. “Nós nascemos online e, até agora, transitamos muito bem nesse meio. Mas acreditamos que o ponto de venda é um fator determinante para aumentar o engajamento”, diz o executivo, contando que, com o acordo, o portifólio do programa ganhou 1,5 milhão de novos estabelecimentos. Os pontos são dados pelas empresas que, com a iniciativa, aumentam suas chances de fidelizar o cliente. E a pessoa que pagar com cartão de crédito ainda ganha duas vezes: os pontos dados pelo varejista e os pontos contabilizados no fechamento da fatura. Tudo feito pelo celular, via aplicativo. O modelo está funcionando ainda apenas para o acúmulo de pontos. Nos próximos 30 dias, a troca será habilitada.

Na outra ponta para o fortalecimento de uma cultura nacional estão as micro recompensas. “As pessoas ainda associam muito esses programas às trocas por passagens aéreas”, explica Cruz. Mas é preciso levar em consideração que grande parte das pessoas leva muito tempo para acumular o necessário para fazer uma viagem – e, em muitos casos, essa é uma troca que nem faz sentido para esse público. “Mas, se as pessoas começarem a se dar conta de que podem resgatar recompensas como gasolina, ingressos para o cinema e corridas de Uber, a situação muda de perspectiva”, avalia.

Atualmente, no catálogo da Livelo existem mais de 600 produtos e serviços para resgates até 500 pontos. No universo até 5 mil pontos, as opções passam de 140 mil. Um ingresso para o Cinemark, por exemplo, vale 900 pontos. Com 1,3 mil pontos é possível obter um desconto de R$ 20 no serviço de transporte por aplicativo. Um mês de assinatura do Deezer Premium “custa” 1,1 mil pontos. Quem quiser ajudar o próximo, pode doar os pontos acumulados – a partir de 100 – para entidades filantrópicas como Doutores da Alegria.

O executivo conta que, hoje, os itens mais acessados na categoria são recargas de celular, vouchers de combustível e ingressos para shows e cinema, nessa ordem. “As pessoas têm que ser recompensadas sem precisar, necessariamente, acumular milhares de pontos. Quando elas se derem conta disso, o engajamento vai aumentar e os programas de recompensa passarão a fazer parte da vida delas.”

****

Expectativas para a Black Friday no Brasil

A Black Friday deve apresentar um crescimento de 19% este ano em relação a 2018, segundo expectativas da empresa de inteligência de mercado especializada em comércio eletrônico Compre&Confie. No total, a projeção é que a iniciativa movimente R$ 3,5 bilhões, levando em conta o faturamento registrado nos dias 28 e 29 de novembro. Ainda de acordo com a companhia, este valor será gerado pelo volume de compras, já que o tíquete médio deve cair na comparação com o ano passado. A projeção é de 5,8 milhões de pedidos, um aumento de 24% sobre 2018, com média de gasto de R$ 600 (contra R$ 624). “Podemos afirmar que a Black Friday está cada dia mais consolidada no Brasil. Os mecanismos criados por diversas empresas para comprovar que os descontos são reais, somados à proximidade do Natal e recebimento de parcela do 13º salário, explica o otimismo do setor para um forte crescimento no número de pedidos este ano, que deve ser observado principalmente em categorias de maior valor agregado como eletrônicos e telefonia”, explica André Dias, diretor executivo da empresa. Há outro motivo importante para tanta animação: no primeiro semestre deste ano, mais de 19 milhões de consumidores brasileiros fizeram pelo menos uma compra online, número 35,8% maior do que no mesmo período do ano passado.

****

CEO da GAP renuncia

O CEO da GAP Art Peck renunciou ao cargo que ocupava há cinco anos em meio à luta da empresa para combater o declínio das vendas. Ele também deixará sua posição no conselho. Enquanto busca um sucessor que possua “excelência operacional” e possa ajudar a “aumentar a eficiência, a velocidade e a lucratividade” da companhia, a liderança ficará a cargo de Bob Fisher, um dos três filhos do casal fundador da marca, Donald e Doris Fisher. A varejista, que é dona também da Old Navy e da Banana Republic, tem registrado trimestres seguidos de queda nas vendas e revisou para baixo suas perspectivas para 2019. A companhia perdeu 40% de valor nos últimos 12 meses e despencou 60% desde que Peck assumiu a presidência.

****
Sonhar não custa nada

Uma pesquisa feita pela Croma por encomenda da plataforma online de empréstimos Creditas em todo o país revelou os principais sonhos dos brasileiros. No curto prazo – próximos 12 meses –, o grande desejo dos entrevistados é quitar as dívidas, seguido de perto pela realização de uma viagem nacional. Já no médio prazo, entre dois e cinco anos, aparecem empatados os anseios de comprar um carro e viajar para fora do país. No longo prazo, daqui seis anos ou mais, a maior aspiração dos brasileiros é viver de renda. O levantamento descobriu, ainda, que 71% das pessoas ficam apreensivas quando não pagam as contas e que 33% delas reconhecem que precisam fazer uma reorganização financeira para concretizar seus objetivos. Veja, no infográfico a seguir, as principais aspirações dos brasileiros:

****

Embraer tem novo CFO

Antonio Carlos Garcia foi escolhido pelo conselho como o novo vice-presidente executivo financeiro e de relações com investidores da Embraer, em substituição a Nelson Salgado, que vai assumir a vice-presidência de operações da companhia. Garcia passou pela ThyssenKrupp, onde atuou como CFO global da unidade de negócio Forged Technologies, na Alemanha, ZF do Brasil e Siemens. As mudanças passam a valer a partir de 1º de janeiro de 2020.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).