Meu primeiro investimento: como fazer?

Getty Images
Se alguém tem de fazer alguma coisa pelo seu futuro, essa pessoa é você

Ao contrário do que muitas imaginam, encontrar simplicidade no mundo das finanças é tão fácil quanto acreditar em Papai Noel durante um período da vida. Difícil mesmo é se despedir do bom velhinho e permanecer na expectativa de que renas saltitantes aparecerão com seus desejos embrulhados em divertidos papéis de presente, contemplando seu bom comportamento durante o ano. É compreensível: dentro de nós sempre haverá um espaço, ainda que minúsculo, para uma menina mimada sonhar.

Pois é, por esse lado, não é tão simples assim e por mais que você tenha sido bajulada na infância, ou não, se alguém tem de fazer alguma coisa pelo seu futuro, é você. Não fique desapontada, existe uma forma de resgatar essa sensação tão prazerosa vivida pelos infantes. A dica do dia é colocar no topo de sua “wish list” de presentes natalinos o seu EU. Veja bem, é agir com uma Mamãe Noel de si própria.

Já vimos por aqui o primeiro passo para começar no mundo dos investimentos: saber quanto custa sua vida por mês. Não importa qual sua condição financeira nem tão pouco se é herdeira, conhecer seus hábitos é imprescindível.

Onde está seu dinheiro hoje?

Quando faço essa pergunta, tenho sérias palpitações no coração. As respostas são quase sempre as mesmas: no banco e na poupança. Ou pior: não sei, tenho de perguntar ao fulaninho…

No Brasil, 95% dos investidores estão concentrados no sistema bancário. Nos EUA, 95% das pessoas investem via corretoras. Percebem a diferença? Talvez pela taxa de juros lá há tempos estar tão baixa, a grande maioria teve de de sair da zona de conforto para desfrutar de bons ganhos.

No caso das mulheres, a situação é ainda mais preocupante: apenas 20% delas aceitam outras alternativas de investimentos que não a poupança. Mesmo assim, por enquanto, mantenho a calma, isso porque não fomos ensinadas sobre produtos existentes para alavancar nossos ganhos. Deixávamos lá no banco e estava tudo bem. E, sim, de certa forma estava, mas agora não está mais. Com uma taxa de juros tão baixa atualmente, se você quiser ganhar bem mais que duas jujubas no final do mês, vai ter de fazer diferente. E agora.

Retomando o espírito Natalino, com seu EU no topo da lista, responda: você tem uma reserva de emergência? Aquele dinheiro à mão pronto para resolver qualquer situação inesperada?

Em seguida, essas são as próximas providências a serem tomadas:

1) Pegue seu custo de vida e multiplique por no mínimo 3 vezes. Se você tem uma vida que custa R$ 5.000 mensais, vai multiplicar por três. Ou seja, você deve ter guardado no Tesouro Selic ou num CDB com liquidez diária R$ 15.000.

2) Abra uma conta em uma corretora, que eu costumo chamar de shopping de investimentos.

3) Transfira os recursos mensalmente de sua conta do banco para conta da corretora. Fique atenta: bancos digitais não cobram TEDs e você pode ter mais ganhos. Tudo conta no plano de liberdade financeira.

As transferências não precisam ser mensais. Mas deveriam. Se você quiser um passo a passo, no meu instagram, @marypoupe, eu ensino.

Lembre-se: neste Natal, o maior presente que você pode dar aos seus é começar seu plano de independência e não ser, no futuro, um fardo na vida de quem você ama.

 

Francine Mendes é educadora financeira para mulheres, economista pela Universidade Federal de Santa Catarina, com mestrado em psicanálise do consumo pela Universidade Kennedy. Apresentadora do canal Mary Poupe, no YouTube, e comunicadora na RiCTV Record.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).