China critica lei dos EUA e a classifica de “interferência”

Projeto prevê que Estados Unidos deve fortalecer poderio militar taiwanês.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Jason Lee/Reuters
Jason Lee/Reuters

Donald Trump, prometeu sancionar rapidamente o projeto de lei de 738 bilhões de dólares

Acessibilidade


O principal órgão legislador da China criticou neste sábado (21) o projeto de lei de Defesa que os Estados Unidos aprovaram nesta semana, classificando-o como “interferência”, informou a agência de notícias estatal Xinhua.

You Wenze, porta-voz do Comitê de Assuntos Estrangeiros do Congresso Nacional da China, expressou “forte insatisfação” com o National Defense Authorization Act (NDAA), aprovado facilmente no Senado dos EUA nesta semana.

VEJA TAMBÉM: EUA finalizam regras que limitam exportações de tecnologia para China e outros países

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu sancionar rapidamente o projeto de lei de 738 bilhões de dólares.

You afirmou que o fato de o projeto incluir Taiwan mina a paz e a estabilidade no estreito de Taiwan. A lei prevê que os Estados Unidos devem trabalhar para fortalecer o poderio militar taiuanês, a ilha autônoma que a China considera parte de seu território.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O projeto de lei também pede apoio aos manifestantes pró-democracia de Hong Kong, além de pedir um relatório sobre o tratamento dado à minoria muçulmana uigur em Xinjiang.

“O plano dos EUA da interferir nos assuntos internos de outros países sob a aparência de ‘democracia’ ou ‘direitos humanos’ nunca terá sucesso”, disse You, de acordo com a Xinhua. “Assuntos relacionados a Xinjiang não têm a ver com direitos humanos, etnias ou religiões, mas sim com contraterrorismo e despolarização.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: