Ibovespa encerra janeiro negativo

REUTERS
Ações do Ibovespa sentiram o impacto do conflito Irã-EUA e avanço do coronavírus

As perdas no mercado acionário hoje (31) foram fortes em todo o mundo com os temores pelo avanço global do contágio pelo coronavírus, originário da China. Lá, mais de 200 pessoas morreram. Em 20 países, mais de 10 mil pessoas já foram infectadas.

Os investidores respondem com estresse à situação, principalmente, pela falta de informações que levem a uma previsão do impacto econômico global desta rápida propagação do novo vírus.

LEIA TAMBÉM: Ibovespa amplia perdas junto com Wall Street

Aqui no Brasil, o Ibovespa perdeu 1,53% aos 113.760 pontos. O giro financeiro do dia foi de R$ 24,3 bilhões. Este ano, a queda do índice é de 1,52%.

As principais perdas do dia foram da Via Varejo (VVAR3) com desvalorização de 4,44% a R$ 14,00, Weg (WEGE3) com menos 3,81% a R$ 39,41, CSN (CSNA3) com recuo de 3,80% a R$ 12,90, B2W (BTOW3) que caiu 3,78% a R$ 71,20 e Hering (HGTX3) que perdeu 3,76% a R$ 24,82.

Na lista das maiores altas do índice, Totvs (TOTS3) com ganhos de 2,68% a R$ 74,65, JBS (JBSS3) com valorização de 2,34% a R$ 27,58, IRB Brasil (IRBR3) que subiu 1,49% a R$ 44,83, Marfrig (MRFG3) com avanço de 1,39% a R$ 10,97 e Cogna (COGN3) com mais 1,13% a R$ 11,62.

Fora da carteira do Ibovespa, destaque de baixa para as ações da Positivo Tecnologia, após estabelecer o preço para a oferta de ações em R$ 6,55, num desconto de mais de 20% em relação ao preço de fechamento de ontem (30). As ações POSI3 fecharam com queda de 12,47% a R$ 7,44.

Neste encerramento de janeiro, é impressionante o balanço da volatilidade do Ibovespa causada por diferentes fatores, desde a tensão entre Irã e Estados Unidos até o estresse atual provocado pela disseminação do coronavírus.

Durante os pregões, o que os participantes do mercado chamam de intraday, o índice variou de 119.611 pontos (23 de janeiro) a 112.726 (30 de janeiro). Ou seja, uma diferença de 6.885 pontos num intervalo de 7 dias.

Fontes no mercado ainda lembram que mais fatores de risco externos ainda estão por vir em 2020. Um exemplo são eleições presidenciais nos EUA.

Lá, os principais índices de ações tiveram fortes perdas, com Dow Jones em queda acima de 2% e S&P 500 perdendo um percentual equivalente no fechamento dos negócios.

O índice VIX de volatilidade oscilou perto de 22% de alta.

No mercado de commodities, o ouro teve alta consistente ao longo do dia próxima a 1%. O petróleo respondeu com queda acentuada. O WTI perdia perto de 3% e o Brent apresentava baixa em torno de 5%.

****

Luciene Miranda é jornalista especializada em Economia, Finanças e Negócios com coberturas independentes na B3, NYSE, Nasdaq e CBOT

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).