Após recordes, dólar tem 1ª queda semanal do ano

Com atuação do Banco Central, moeda norte-americana vai a R$ 4,30.

Forbes Daily, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Reuters

O dólar à vista terminou esta sessão em queda de 0,79%

Acessibilidade


O dólar fechou na maior queda em quase duas semanas ante o real hoje (14), chegando a perder o suporte de R$ 4,30 apenas um dia depois de bater recorde acima de R$ 4,38, com o mercado interpretando novo leilão de swap cambial do Banco Central como indicativo de que a depreciação recente da taxa de câmbio pode ter sido rápida demais.

O real teve o melhor desempenho entre as principais moedas nesta sessão, depois de dias liderando as perdas. A queda do dólar ontem (13) e nesta sexta fez a moeda acumular baixa na semana, quebrando uma sequência de seis semanas de valorização.

Em dois dias, a queda acumulada foi de 1,14%, o que fez o dólar tocar o suporte de uma linha de tendência. A perda sustentada do suporte de R$ 4,30 pode disparar ordens de “stoploss” (no caso, vendas automáticas) e reforçar o ajuste de baixa depois de o dólar acumular alta de mais de 8% no ano.

VEJA MAIS: Dólar recua ante real com foco em intervenção do BC

O dólar à vista terminou esta sessão em queda de 0,79%, a R$ 4,3012 na venda – maior desvalorização diária desde 3 de fevereiro (-0,86%). Na mínima do dia, a cotação desceu a R$ 4,2924.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na B3, o dólar futuro tinha baixa de 1,23% nesta sexta, a R$ 4,2995.

Na semana, o dólar recuou 0,46%, primeira queda semanal em 2020. O período foi marcado pelo retorno do Banco Central às operações de venda líquida de swaps cambiais, conforme o real se depreciava mais rapidamente que outras divisas emergentes. Apenas nesta semana, o BC vendeu US$ 2 bilhões nesses contratos, primeira operação do tipo desde agosto de 2018.

Analistas do Citi entendem, contudo, que a intervenção tende a “funcionar” apenas no curto prazo. De forma geral, os estrategistas esperam que o real retome a depreciação, afetado por aumento de déficit em conta corrente, juro menor e a perda de vigor da economia, entre outros fatores.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: