Bolsas internacionais com alta

Amanda Perobelli - REUTERS
Investidores têm noticiário intenso para os negócios de hoje (5)

Os mercados globais hoje (5) seguem o movimento de recuperação de véspera, confiantes nas medidas de contenção do coronavírus adotadas pela China e outros países onde foram detectados casos de contágio. A doença já matou mais de 500 pessoas, segundo autoridades chinesas.

As bolsas asiáticas registraram altas, com Nikkei (Japão) encerrando com valorização de 1,02% aos 23.319 pontos, Kospi (Coreia) com ganhos de 0,36% aos 2.165 pontos, Shanghai Composite (China) que avançou 1,25% aos 2.818 pontos, Shenzen (China) com mais 2,14% aos 10.305 pontos e Hang Seng (Hong Kong) que subiu 0,42% aos 26.786 pontos.

LEIA MAIS: Dólar fecha em alta ante real um dia antes de decisão de juros do BC

Na Europa, as principais bolsas têm altas consistentes. Já os índices futuros nos Estados Unidos apresentam tendências mistas.

O mundo acompanha as prévias das eleições presidenciais norte-americanas, a repercussão do tradicional discurso do Estado da União feito ontem pelo presidente Donald Trump, além dos desdobramentos do processo de impeachment do Congresso contra ele.

Entre as commodities, o petróleo tem alta expressiva próxima a 3% tanto para o WTI, quanto para o Brent. A onça troy do ouro oscila perto da estabilidade.

Aqui no Brasil, os negócios terão o impacto da venda de ações da Petrobras pelo BNDES, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, dentro de seu programa de desinvestimento de 9,86% das ações ON da estatal, num total de 611,8 milhões de ações. A oferta será simultânea na B3 e na Bolsa de Nova York, e a expectativa é que levante um capital de R$ 23 bilhões, com compras na mira de investidores estrangeiros.

Ainda nesta quarta-feira, o mercado aguarda a decisão do Copom, o Comitê de Política Monetária do Banco Central, sobre a taxa básica de juros. O anúncio deve ocorrer após o encerramento dos negócios na bolsa brasileira. Atualmente, a taxa Selic está em 4,5% ao ano e a maioria dos analistas acredita que o BC irá decidir por um corte de, pelo menos, 0,25 ponto percentual.

Na agenda de divulgação de balanços corporativos, foi a vez do Bradesco anunciar seus resultados para o quarto trimestre, fechando os números de 2019. O banco reportou um lucro líquido recorde de R$ 25,887 bilhões no ano passado, num aumento de 20% em relação ao exercício de 2018, quando obteve R$ 21,564 bilhões.

****

Luciene Miranda é jornalista especializada em Economia, Finanças e Negócios com coberturas independentes na B3, NYSE, Nasdaq e CBOT

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.


Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).