Ibovespa despenca com correção pós carnaval

Índice reabre com forte queda acompanhando perdas dos índices estrangeiros com clima de aversão ao risco pelo coronavírus

Forbes Daily, por Luciene Miranda
Compartilhe esta publicação:
David Ryder - REUTERS
David Ryder - REUTERS

Ibovespa tem forte queda no retorno pós carnaval pela versão ao risco global com coronavírus

Acessibilidade


Os dias em que a bolsa brasileira não operou pelo feriadão de carnaval foram de perdas fortes nos índices estrangeiros com o aumento do clima de aversão ao risco pelo coronavírus. A doença Covid-19 tem se propagado rapidamente pela Ásia e Europa.

No Brasil, um caso de contágio foi confirmado em São Paulo, sendo o primeiro registrado na América do Sul. Em todo o país, existem 20 casos suspeitos em 7 estados, envolvendo pessoas que estiveram recentemente na Itália, onde foram registradas 11 mortes pela doença.

LEIA TAMBÉM: Contraprova confirma 1º caso de coronavírus no Brasil

Na bolsa brasileira, espera-se um movimento de “correção” no início dos negócios de hoje (26), com o Ibovespa em forte queda.

Alertas de corretoras a investidores chamavam a atenção para o risco de uma paralisação da bolsa, conhecida como Circuit Braker, quando os negócios são interrompidos pelo índice atingir uma queda de 10%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Nos primeiros 30 minutos de pregão, às 13h30, horário de Brasília, o Ibovespa caía 4,81% aos 108.208 pontos.

Não há ações com alta na carteira do índice nos primeiros minutos de pregão. Os destaques de queda eram da Azul (AZUL4) com recuo de 9,96% a R$ 50,11, Gol (GOLL4) com menos 9,52% a R$ 30,60, Petrobras (PETR3) com desvalorização de 7,39% a R$ 28,57, CSN (CSNA3) que caía 6,93% a R$ 12,22 e Vale (VALE3) com baixa de 6,66% a R$ 46,79.

No mercado de câmbio, o Banco Central anunciou leilão extraordinário de US$ 1,5 bilhão em swap cambial das 13h30 às 13h40. Neste intervalo do leilão, o dólar tinha valorização em relação ao real com alta de 0,62% a R$ 4,41. O euro avançava 0,74% a R$ 4,80.

****

Luciene Miranda é jornalista especializada em Economia, Finanças e Negócios com coberturas independentes na B3, NYSE, Nasdaq e CBOT

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: