23 números da vida e da carreira de Michael Jordan

ReproduçãoForbes
O lançamento da série de Jordan foi antecipado em dois meses por conta do coronavírus

Michael Jordan retorna hoje (19) às telas da TV na estreia do aguardado documentário “The Last Dance”, que vai ao ar às 22h na ESPN. A série de 10 episódios estava originalmente programada para ser lançada durante as finais da NBA em junho, mas foi antecipada em dois meses para preencher o vazio no calendário esportivo criado pela pandemia de coronavírus.

A série entrelaça duas linhas do tempo: a primeira trajetória de MJ no Chicago Bulls desde que foi recrutado em 1984 e um mergulho profundo na temporada 1997-1998, a última do astro e do treinador Phil Jackson, quando o time ganhou o sexto título em oito anos. A NBA Entertainment teve acesso livre ao jogador e ao Bulls naquele ano e as filmagens ficaram paradas por duas décadas.

Assim como o número da camisa de Michael Jordan, veja a seguir 23 números que definem a série “The Last Dance” e o icônico atleta, dentro e fora das quadras:

US$ 0: Valor que MJ vai lucrar com “The Last Dance”. O astro está doando toda a sua parte do dinheiro, que deve atingir entre US$ 3 milhões e US$ 4 milhões, para causas beneficentes;

LEIA TAMBÉM: Como Michael Jordan se tornou o atleta mais rico do mundo

2: A ESPN vai exibir duas versões de “The Last Dance”. A da rede principal vai ao ar com todas as palavrões audíveis, enquanto a versão da ESPN2 vai censurar palavras de baixo calão;

4: O documentário será exibido com intervalos comerciais de quatro marcas, incluindo a seguradora State Farm, o Facebook e o chocolate Reese, da Hersheys. O quarto anunciante é do setor farmacêutico, segundo a publicação especializada em marketing “Ad Age”, mas não foi revelado pela ESPN;

5: Os prêmios MVP de Jordan empatam com Bill Russell pela segunda vez na história. Apenas Kareem Abdul-Jabbar conquistou o feito seis vezes;

6: A marca perfeita de 6 a 0 de Jordan nas finais da NBA é o trunfo que o astro usa quando o comparam a LeBron James (3-5 nas finais) como o melhor jogador da NBA;

11: MJ liderou a NBA no total de pontos marcados nas 11 temporadas completas em que jogou com o Bulls (ele também liderou os pontos por jogo 10 vezes consecutivas). Os únicos dois anos em que não conseguiu o feito foram nas temporadas 1985-1986, quando se limitou a 18 jogos por conta de um pé quebrado, e 1994-1995, quando voltou do beisebol para jogar 17 jogos no final do ano.

12: MJ ficou famoso por sua camisa número 23 e até pelo breve uso da 45 no seu retorno ao Bulls antes de voltar ao seu número original. Mas o que muitos não sabem é que o atleta usou o número 12 uma vez em 1990, quando alguém roubou sua camisa habitual bem na hora do jogo;

30.12: A média de pontuação por jogo na carreira de Jordan é um recorde na NBA. Wilt Chamberlain (30.07) ocupa o segundo lugar, seguido por Elgin Baylor (27.4) e LeBron James (27.1).

37: O Q Score de MJ, que mede o apelo de celebridades, é o mais alto entre os adolescentes, uma demonstração do quanto sua imagem se preservou, já que muitos desses jovens nem estavam vivos ainda quando ele se aposentou pela última vez em 2003;

70%: Participação estimada de Jordan no Charlotte Hornets depois de vender 20% em setembro para os gerentes de fundos hedge de Nova York Gabe Plotkin e Daniel Sundheim;

82%: Nível atual de fama de MJ nos EUA, o segundo  mais alto entre os atletas no país, atrás apenas de Tiger Woods, de acordo com a Q Scores;

96%: Participação da Nike no mercado de tênis para basquete, incluindo a marca Jordan, segundo a empresa de pesquisa de mercado NPD; 

106: Número de pessoas entrevistadas pelo diretor de “The Last Dance”, Jason Hehir, durante dois anos. A lista inclui quase todas as pessoas conectadas à dinastia Bulls, além de dois ex-presidentes dos EUA, Barack Obama e Bill Clinton. Jordan participou de três extensas entrevistas, a última  delas em dezembro;

US$ 1.600: Preço da garrafa mais cara da linha de tequila Cincoro, a Extra Añjeo. MJ lançou a marca premium de tequila no ano passado com os colegas proprietários da NBA Jeanie Buss, Wes Edens e Wyc Grousbeck.

10.000: Horas de filmagem que o diretor precisou reduzir para criar dez episódios de 50 minutos da série para a ESPN;

2 milhões: Número de visualizações do trailer de três minutos de “The Last Dance” que foi publicado no YouTube em dezembro. A ESPN deu aos fãs outra amostra do documentário na sexta-feira (17), quando lançou um clipe de cinco minutos com cenas do primeiro episódio;

29 milhões: Média de audiência dos jogos das finais da NBA em 1998, que foi a última temporada de MJ no Bulls. É um recorde da NBA, assim como as 35,9 milhões de pessoas que assistiram ao jogo 6.

VEJA MAIS: Os atletas da NBA mais bem pagos de 2019

US$ 33,1 milhões: Salário do último ano de Jordan no Bulls. Seus salários na NBA totalizaram US$ 94 milhões, incluindo os US$ 4 milhões que Chicago lhe pagou durante o ano em que jogou na liga menor de beisebol;

US$ 130 milhões: Ganhos estimados com a Nike no ano passado. O primeiro acordo da marca com o jogador foi assinado em 1984, por US$ 500 mil ao ano (US$ 1,2 milhão em valor atualizado);

US$ 320 milhões: Valor da equipe de e-sports Team Liquid, que tem MJ como investidor.

US$ 1,5 bilhão: Valor do Charlotte Hornets, que ocupa a 25ª posição na lista das 30 equipes mais valiosas da NBA da FORBES;

US$ 2,1 bilhões: O patrimônio líquido de Jordan subiu US$ 300 milhões no ano passado graças a um aumento no valor do Hornets e US$ 145 milhões em ganhos com patrocínios. Ele ocupou o 1.001º lugar na lista dos Bilionários do Mundo publicada pela FORBES em março;

US$ 3,1 bilhões: Receita da marca Jordan, comercializada pela Nike, no ano fiscal que terminou em maio de 2019.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).