Lixo plástico vira preocupação durante quarentena

GettyImages/ KONTROLAB
GettyImages/ KONTROLAB

Maior demanda de sacolas plásticas durante a quarentena pode implicar em danos ao meio ambiente, já que o material demora para se biodegradar

Você provavelmente já ouviu, leu ou notou que, desde a quarentena causada pela Covid-19, o ar e a água em todo o planeta ficaram mais limpos. Sim, a natureza está se recuperando.

Mas você também precisa se lembrar de que muitos equipamentos de proteção individual (os EPIs), como máscaras e luvas são de plástico, e grande parte deles está sendo descartada sem cuidado. Quando o EPI é jogado fora em áreas públicas, acaba entupindo bueiros e indo parar em vias fluviais.

LEIA MAIS: Embraer abre processo de arbitragem contra Boeing após cancelamento de acordo

Além disso, alguns membros da indústria de plásticos estão aproveitando o medo e a incerteza em torno da pandemia para interromper suspensões ou proibições de medidas ambientais conquistadas com muito esforço para reduzir a poluição por plásticos. Eles estão reivindicando “maior cautela” como o motivo para restabelecer o uso generalizado de sacolas plásticas de uso único.

A preocupação com segurança e contaminação cruzada causou revogações estaduais, municipais e corporativas das proibições de plástico de uso único, o que se traduziu em uma maior demanda por água engarrafada, EPI, sacolas plásticas e embalagens. E desde o início da pandemia de coronavírus, muitos supermercados proibiram os compradores de trazer suas próprias sacolas reutilizáveis ​​e estão distribuindo sacolas plásticas de uso único.

Mas os resultados de um experimento publicado recentemente no “The New England Journal of Medicine” indicam que o coronavírus pode sobreviver por mais tempo nos plásticos do que em outros materiais. Dados mostram que “o SARS-CoV-2 era mais estável em plástico e aço inoxidável do que em cobre e papelão, e vírus saudáveis ​​foram detectados até 72 horas após chegarem a essas superfícies”. Isso sugere que os sacos de papel podem ser mais seguros que os de plástico.

Uma consequência adicional da pandemia da Covid-19 foi que os serviços de reciclagem e de lixo municipal nos EUA e outros países foram significativamente limitados, o que significa que o plástico extra que estamos usando agora pode não ser reciclado.

LEIA TAMBÉM: Pesquisa revela os setores que estão se dando bem na crise causada pela pandemia

Os cientistas da ONG Ocean Conservancy temem que, se as reviravoltas temporárias nas proibições de plástico se tornarem permanentes, isso poderá prejudicar os esforços para reduzir o uso de plásticos de uso único e aumentar a poluição nos oceanos daqui para frente. Segundo a organização, as sacolas plásticas são devastadoras para o oceano. Esse tipo de item está consistentemente entre os 10 principais coletados por voluntários na Limpeza Costeira Internacional anual da Ocean Conservancy. Eles também estão entre as formas mais mortais de detritos marinhos e podem persistir por décadas ou mais no meio ambiente.

Embora plásticos como luvas, máscaras e outros equipamentos médicos sejam importantes para proteger os trabalhadores da linha de frente, essa pandemia é um lembrete da quantidade de resíduos que produzimos e de como os gerenciamos ou administramos mal.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).