Por dentro da fabricação de ventiladores da Ford e da GM para a pandemia

Reprodução
Reprodução

empresas como a Ford e a General Motors têm corrido para produzir novos ventiladores às dezenas e talvez centenas de milhares de necessitados

Em meados de março, quando o coronavírus estava se espalhando por todos os Estados Unidos e os trabalhadores foram mandados para casa, exceto os essenciais, o CEO da Ford, Jim Hackett, fechou as 30 fábricas de automóveis norte-americanas da empresa. Em uma ligação com a equipe da Casa Branca para falar sobre o impacto da pandemia no setor, Hackett deixou escapar: “Quem sabe, talvez devêssemos fabricar ventiladores...“.

Cinco dias depois, a companhia tinha um plano para fazer exatamente isso. A Ford e a GE Healthcare concordaram rapidamente em tentar aumentar a produção de uma versão mais simples das máquinas completas da fornecedora de tecnologia a fim de ajudar hospitais e estados que estavam se preparando para um imenso fluxo de pacientes com Covid-19. Eles, então, contrataram um pequeno fabricante da Flórida chamado Airon, cujo próprio ventilador simplificado seria mais barato, fácil e rápido a fim de produzir em grandes quantidades.

VEJA MAIS: Ford se une a 3M e GE para acelerar produção de ventiladores e máscaras

E ele não está sozinho. Em todo o país, fabricantes americanos –incluindo Ford, General Motors e Xerox– cujas fábricas em tempos normais estão sempre em atividade com sua produção comum, têm corrido para produzir novos ventiladores às dezenas e talvez centenas de milhares de necessitados, tão rápido quanto eles possivelmente podem.

De fato, este é o maior esforço combinado das empresas norte-americanas fora dos tempos de guerra para fazer em semanas o que normalmente levaria meses ou mesmo anos para os fabricantes de dispositivos médicos produzirem.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).