Conferência internacional levanta US$ 8 bilhões para combater coronavírus; conheça os maiores doadores

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, organizou a Conferência Internacional de Comprometimento à Resposta Global do Coronavírus que ocorreu ontem (4) virtualmente

“A corrida para descobrir a vacina a fim de derrotar esse vírus não é uma competição entre países”, disse o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, em uma cúpula virtual ontem (4).

No entanto, ao pedir às nações que levantassem US$ 8 bilhões para vacinas, tratamentos e testes, a Coronavirus Global Response International Pledging Conference (Conferência Internacional de Comprometimento à Resposta Global do Coronavírus) criou uma rivalidade mundial sobre qual país doaria mais.

VEJA MAIS: Os 15 bilionários que mais fizeram doações para o combate à Covid-19

Canadá vence, Estados Unidos não comparecem

A meta de US$ 8 bilhões estabelecida pela Comissão Europeia, que coorganizou o evento, foi alcançada em questão de horas, devido em grande parte à doação de US$ 850 milhões do Canadá, a maior de todas.

No entanto, em um desprezo velado aos Estados Unidos, Justin Trudeau, primeiro-ministro do país disse à conferência: “Não podemos apenas ter sucesso nos países mais ricos e não compartilhá-lo com o resto do mundo”.

Os EUA não compareceram à reunião em um sinal claro de que a política “America First”, de Trump, não se diferencia quando se trata do desenvolvimento da vacina para a Covid-19.

A Rússia também esteve ausente, mas a China, após um declínio inicial, ingressou no evento virtual prometendo US$ 50 milhões em direção à meta, mais ou menos o mesmo que a Irlanda.

Japão e Reino Unido integram o top 3

O segundo maior doador do dia foi o Japão, que prometeu US$ 843 milhões. O anúncio chegou no mesmo dia em que o país estendeu seu estado de emergência em meio a temores de uma segunda onda da Covid-19.

Duas nações não prometeram dinheiro às mesmas causas, mas havia beneficiários populares. O Reino Unido foi o terceiro maior doador, mas concedeu a maior quantia à Coalizão de Inovações em Preparação para Epidemias (em inglês Coalition for Epidemic Preparedness Innovations, ou Cepi).

Além disso, na semana passada, o país anunciou ‎£330 milhões (U$ 429 milhões) à sua organização irmã, Gavi Alliance.

“Por meio da Gavi, estamos ajudando os países mais pobres a combater o vírus”, disse Johnson. A organização garantirá que qualquer vacina forneça “acesso equitativo garantido”, disse Seth Berkley, CEO da instituição, durante a conferência.

No que diz respeito aos maiores doadores, o Reino Unido foi seguido pela Alemanha (4), França (5) e Arábia Saudita (6), que ofereceu inesperados US$ 490 milhões. Atualmente, o país do oriente médio tem o maior número de infecções por Covid-19 no Golfo Pérsico.

Bill Gates em sétimo lugar

Ao falar na conferência, Melinda Gates anunciou um adicional de US$ 125 milhões para vacinas e tratamentos. Isso eleva a doação total dos Gates desde o início da pandemia a US$ 300 milhões.

De fato, se a Bill and Melinda Gates Foundation (Fundação Bill e Melinda Gates) fosse um país, ficaria acima de Austrália, Holanda, Noruega e Espanha, que compõem o restante dos dez maiores doadores.

“Enquanto o coronavírus estiver em algum local, ele poderá se espalhar em qualquer lugar”, disse Melinda Gates na conferência. “Vai demandar mais do que disponibilizar uma vacina apenas para quem oferece mais. A pandemia não vai acabar até que todos possam ser vacinados contra ela”.

Esse novo compromisso inclui US$ 50 milhões em novos fundos para a Gavi Alliance, e US$ 75 milhões em fundos anunciados anteriormente para tratamentos e diagnósticos.

Resposta Global ao Coronavírus: conclusão

No final, a conferência alcançou seus US$ 8 bilhões, pouco antes de ser concluída. No entanto, a Comissão Europeia conta todas as doações desde 30 de janeiro, portanto, não está claro quanto era exclusivo do evento.

O objetivo de US$ 8 bilhões também foi um pouco arbitrário, tendo sido estimado pela Wellcome Trust, organização sem fins lucrativos do Reino Unido, em março como o projeto de lei para “pesquisa e desenvolvimento de vacinas, diagnósticos e tratamentos”. No entanto, nem todo o dinheiro prometido foi para fins médicos e, além disso, a distribuição de vacinas trará custos adicionais.

A mensagem real, no entanto, era de coordenação. “Precisamos de todos os países trabalhando juntos nesse empreendimento global”, disse Alex Harris, chefe de política global da entidade, em uma troca de e-mails após a conferência.

Existe uma preocupação real de que qualquer país ou organização que desenvolva a primeira vacina para a Covid-19 possa lucrar com sua distribuição, tornando-a, portanto, pouco acessível em partes do mundo que mais precisam.

“Quanto mais reunimos e compartilhamos nossa experiência, mais rapidamente nossos cientistas terão sucesso”, disse Johnson na conferência. “A corrida para descobrir a vacina e derrotar esse vírus não é uma competição entre países, mas sim o esforço compartilhado mais urgente de nossas vidas”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).