Museus do Vaticano reabrem a partir de 1º de junho

Vera Shcherbakova/Getty Images
Os museus receberam cerca de 7 milhões de visitantes no ano passado

Os museus do Vaticano serão reabertos em 1º de junho, informou o Vaticano hoje (23), encerrando um fechamento causado pelo bloqueio de coronavírus que drenou os cofres da Santa Sé.

Um comunicado disse que os museus, que abrigam algumas das maiores obras-primas da Renascença do mundo, bem como artefatos romanos e egípcios antigos, podem ser visitados a partir do início de junho, embora apenas fazendo reservas online para controlar o número de pessoas.

LEIA MAIS: Tapeçarias de Rafael voltam à Capela Sistina depois de séculos

Os visitantes terão suas temperaturas verificadas e terão que usar máscaras e desinfetante para as mãos. Os funcionários usarão máscaras e luvas e profissionais de saúde estarão à disposição.

Condições semelhantes serão aplicadas aos visitantes da residência papal de verão em Castel Gandolfo, ao sul de Roma.

Os museus italianos começaram a reabrir em 18 de maio, como parte de uma redução gradual das medidas de bloqueio no país, onde mais de 30.000 pessoas morreram devido ao vírus.

A pandemia diminuiu drasticamente o fluxo de fundos para os cofres do Vaticano. Os museus receberam cerca de 7 milhões de visitantes no ano passado e são a fonte de renda mais confiável da Santa Sé, gerando anteriormente US$ 100 milhões anuais.

Mesmo após a reabertura, as autoridades temem que medidas de segurança aprimoradas, requisitos de distanciamento social, novos regulamentos de saúde e uma escassez esperada de turistas internacionais corroam as vendas de ingressos e lembranças. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).