Reino Unido estabelece 14 dias de quarentena para viajantes do exterior

Aeroportos temem os resultados da nova medida.

Redação
Compartilhe esta publicação:
getty images
getty images

Companhias aéreas acreditam que a medida é um plane confiável de reabertura

Acessibilidade


O governo britânico disse às companhias aéreas que introduzirá um período de quarentena de 14 dias para a maioria das pessoas que chega do exterior para tentar evitar um segundo pico do surto de coronavírus, disse uma associação que representa as companhias aéreas no sábado.

A Airlines UK, que representa British Airways, easyJet e outras companhias aéreas do Reino Unido, afirmou que a medida exige “um plano de saída confiável” e deve ser revisada semanalmente. Operadoras de aeroportos disseram que isso pode ter um impacto “devastador” na indústria da aviação e na economia em geral.

LEIA MAIS: Reino Unido admite ser improvável anúncio de vacina contra Covid-19 em 2020

O plano de quarentena foi divulgado pela primeira vez pelo jornal The Times, que dizia que o primeiro-ministro Boris Johnson anunciaria no domingo que os passageiros que chegassem a aeroportos e portos, incluindo britânicos que voltam do exterior, precisariam se isolar por duas semanas.

Sob medidas que provavelmente entrarão em vigor no início de junho, os viajantes deverão fornecer na chegada o endereço em que se isolarão, disse o Times.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Essas medidas ajudarão a proteger o povo britânico e reduzirão a transmissão do vírus à medida que avançamos para a próxima fase de nossa resposta”, afirmou uma fonte do governo.O gabinete de Johnson em Downing Street e o Ministério do Interior não quiseram fazer comentários.

O Reino Unido registrou 31.587 mortes por coronavírus e o ministro dos Transportes, Grant Shapps, disse que Johnson não anunciará mudanças dramáticas no isolamento britânico no domingo.

(com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: