Teste em suínos de vacina contra Covid-19 da AstraZeneca com 2 doses se mostra promissor

Getty Images
Getty Images

Vacina experimental contra Covid-19 da AstraZeneca em suínos mostrou que duas doses do remédio produziram uma reação melhor

Um teste da vacina experimental contra Covid-19 da AstraZeneca em suínos mostrou que duas doses do remédio produziram uma reação de anticorpos maior do que uma única dose.

Uma pesquisa divulgada pelo britânico Instituto Pirbright hoje (23) revelou que uma primeira dose inicial seguida por uma dose de reforço da vacina provocou uma reação imunológica mais forte do que uma única dose. Isto sugere que a abordagem de duas doses pode ser mais eficiente para oferecer proteção contra a Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

“Os pesquisadores viram um aumento acentuado de anticorpos neutralizadores, que se ligam ao vírus de uma maneira que impede a infecção”, explicou a equipe do Pirbright em um comunicado. Eles acrescentaram, porém, que ainda não se sabe qual nível de reação imunológica será necessário para proteger humanos.

A vacina ChAdOx1 nCoV-19, também conhecida como AZD1222, foi desenvolvida originalmente por cientistas da Universidade de Oxford que agora estão trabalhando com a AstraZeneca no desenvolvimento e na produção.

“Estes resultados parecem animadores por mostrarem que administrar duas injeções… fortalece a reação de anticorpos que podem neutralizar o vírus, mas é a reação em humanos que é importante”, disse Bryan Charleston, diretor do Pirbright.

A AZD1222 já está em testes com humanos, e a AstraZeneca diz que aguarda dados sobre sua eficiência para o final do ano.

Dados preliminares de um teste com seis macacos apontaram que alguns destes que receberam uma dose desenvolveram anticorpos contra o vírus em 14 dias e que todos desenvolveram anticorpos protetores em 28 dias.

LEIA MAIS: AstraZeneca negocia fornecimento de vacina da Covid-19 com Brasil, Japão, Rússia e China

Mais de 100 vacinas estão sendo desenvolvidas no mundo para se tentar controlar a pandemia, que já matou milhares de pessoas.

Stephen Griffin, professor-associado da Universidade de Leeds que não se envolveu diretamente no trabalho, disse se tratar de um “avanço animador” que mostrou que “uma assim chamada estratégia de ‘reforço inicial’ dá ensejo a reações muito melhores” do que uma única dose.

“Embora seja necessário repetir estes estudos com humanos… este é um estudo encorajador.” (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).