O sonho não acabou: Valentino procura superar o pesadelo da pandemia com glamour e tecnologia digital na alta-costura

Divulgação/Valentino
Divulgação/Valentino

Cada modelo foi executado com cerca de 5 metros de altura

Difícil falar de sonhos em um país devastado pela Covid-19 como a Itália – onde a pandemia explodiu no Ocidente, no final da Semana de Moda de Milão, em fevereiro passado. Pois foi exatamente sobre sonhos que o estilista italiano Pierpaolo Piccioli construiu a coleção do outono 2020 para a alta-costura da maison Valentino.

“Não queremos ficar assim, de repente sem sonhos” foi o mote de um trabalho que se revelou uma celebração da expertise do artesanato de luxo, porém realizado em condições adversas. O tal distanciamento social não permitiu que a brigada das “petites mains” do ateliê Valentino se debruçasse horas sobre cada modelo – até quatro pessoas juntas – para aplicar, incrustar, pintar e bordar.

Ao ver o tamanho das limitações que teria de enfrentar, Piccioli convocou a colaboração do fotógrafo inglês Nick Knight, famoso pelo “chiaroscuro” de suas imagens em cores, sempre sugerindo uma atmosfera surreal de sonho. Brilhos, estampas, bordados e outros efeitos especiais que, em condições normais de pressão e temperatura, seriam executados manualmente foram providenciados por imagens digitais criadas por Knight – representando terra, água, fogo e ar – e projetadas sobre 15 vestidos e capas brancas imaculados – alguns deles reedições de famosos modelos usados por Beyoncé e Lady Gaga. Tudo registrado em vídeo.

E aí entrou a grande extravaganza imaginada por Piccioli para superar as restrições impostas pela pandemia. Cada modelo foi executado com cerca de 5 metros de altura e as modelos que os vestiam foram colocadas no alto de escadas, em plataformas suspensas e numa espécie de trapézio. Não houve economia de tecidos e, segundo informações fornecidas pela maison, foram confeccionados vários quilômetros de babados.

Divulgação/Valentino
Divulgação/Valentino

As modelos que os vestiam foram colocadas no alto de escadas, em plataformas suspensas e numa espécie de trapézio

A apresentação foi online para convidados da marca ao redor do mundo e presencial para um pequeno grupo de jornalistas da imprensa italiana, reunidos – mas obedecendo o distanciamento – em um palco de filmagens dos lendários estúdios da Cinecittà, em Roma. Bom lembrar que ali foram feitos mega produções hollywoodianas – como Ben-Hur e Cleópatra – e os delírios cinematográficos de Federico Fellini. Em uma coletiva de imprensa via Zoom, Piccioli resumiu suas intenções: “Queria colocar moda, mulheres e poesia no centro de tudo”.

Divulgação/Valentino
Divulgação/Valentino

A maison vai adaptar e redimensionar cada modelo ao gosto e medidas de suas consumidoras

O resultado, deslumbrante, está a disposição do público no YouTube. E não, nenhuma cliente da maison Valentino tem 5 metros de altura. A maison vai adaptar e redimensionar cada modelo ao gosto e medidas de suas consumidoras abonadas.

*Com Mario Mendes e Antonia Petta

Donata Meirelles é consultora de estilo e atua há 30 anos no mundo da moda e do lifestyle

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).