PGR fecha delação com fundador da Hypera que prevê multa recorde de R$ 1 bilhão

Reuters
Reuters

Procuradoria-Geral da República enviou para o ministro Edson Fachin, a delação de Queiroz Filho e outros ex-três executivos da Hypera Pharma

A Procuradoria-Geral da República enviou ontem (17) para homologação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), a delação de João Alves de Queiroz Filho e outros ex-três executivos da Hypera Pharma, informou à Reuters uma fonte com conhecimento direto do assunto.

A colaboração de João Alves de Queiroz Filho, fundador do grupo, prevê o pagamento da maior multa da história de um acordo de delação, no valor de R$ 1 bilhão em recursos financeiros a serem pagos parceladamente. Há ainda outros R$ 95 milhões que serão bancados pelos demais delatores ligados ao grupo.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O acordo, que corre sob segredo de Justiça, é superior em valores ao firmado por Dario Messer, o chamado “doleiro dos doleiros”, firmado pela Lava Jato do Rio de Janeiro e homologado pela Justiça Federal fluminense na semana passada. Nesse acordo, a estimativa é de que o doleiro devolva R$ 1 bilhão em bens.

Procurada por e-mail, a companhia informou que não comentará a questão referente à delação.

Em abril de 2018, Queiroz Filho pediu afastamento da presidência do conselho de administração da Hypera em meio a investigações envolvendo a delação premiada de um ex-executivo da empresa, segundo reportagem da Reuters à época. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).