Mariana Salgueiro, diretora das marcas Kérastase e Redken, diz: “podemos ser o que a gente quiser e mostrar isso ao mundo”

Em alto cargo da L'Oréal Brasil e com trajetória de sucesso, executiva espera servir de exemplo para outras mulheres lésbicas .

Donata Meirelles
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Ativista LGBTQIA+, Mariana Salgueiro passou pela marca de maquiagem Maybelline e de haircare Niely Gold antes de chegar à direção da divisão de produtos para profissionais

Acessibilidade


A carioca Mariana Salgueiro é uma mulher de sucesso assertiva. Diretora das marcas internacionais de haircare profissional da Kérastase (francesa) e Redken (norte-americana), dentro do grupo L’Oréal Brasil, ela conta que desde que chegou à empresa, 13 anos atrás, além do fascínio pelo mundo da beleza, sentiu-se acolhida e representada.

“Hoje é muito natural eu chegar em um grupo e dizer de primeira que sou lésbica, mas naquela época nem todo mundo entendia ou aceitava. Por isso foi muito importante encontrar na L’Oréal um ambiente verdadeiramente inclusivo. Somou com a minha personalidade forte e minha vontade de quebrar barreiras”, lembra.

Até chegar à direção de marcas da divisão de produtos destinados a profissionais da beleza, Mariana passou pela marca de maquiagem Maybelline e de haircare Niely Gold. “Nesse caminho, encontrei muita representatividade e exemplos, tanto de companheiros como de gestores que fazem parte da comunidade LGBTQIA+”, faz questão de frisar.

Formada em comunicação e marketing pela ESPM-Rio, Mariana vê na indústria da beleza uma chance para explorar um novo olhar para o mercado. “Nosso consumidor é profissional de beleza, aquele que tem o poder de transformar vidas”, observa. “Trabalhar com beleza é criação, expressão e uma maneira de atravessar países e visitar culturas”, define.

Há seis meses no cargo, ela vem trabalhando com dois fatores turbinados pela pandemia e o pós-vacina: o consumo digital e a volta aos salões de beleza. “No Brasil é muito peculiar e forte a relação intensa do consumidor com os salões de beleza e seus profissionais”, informa.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ela também chama a atenção para a campanha que a Kérastase promoveu durante o mês do orgulho LGBTQIA+, no Instagram, em posts estrelados pelos que trabalham na marca e profissionais de beleza de todo mundo. Mariana foi um deles. Um dos temas da campanha foi “Caring is acceptance” (cuidar é aceitar, em tradução livre).

“Trabaho em uma empresa onde diversidade e inclusão são prioridades. E a missão da L’Oréal sempre foi ‘beleza para todos’”, destaca. “Dá pra notar o quanto eu sou apaixonada pelo que faço, porque a beleza é uma força pessoal muito poderosa. E uma maneira de me desafiar sempre”, conclui.

Garota papo firme

“Eu me assumi muito cedo, aos 17 anos. Contei para os meus pais que sou lésbica e recebi deles um apoio muito forte. Foi muito marcante ouvir deles: ‘Filha, nós te amamos como você é e temos muito orgulho. Nunca se esqueça disso’. Claro que eles também me falaram que não ia ser sempre fácil e, algumas vezes, poderia ser doloroso. Mas aquilo me calou fundo, porque no meu meio social – no colégio e depois na faculdade – não havia uma representação LGBTQIA+, como existe hoje. Então, eu tive que ser a minha própria representatividade. Tenho consciência de que tive sorte e sou privilegiada, porque essa não é a realidade para a maioria das pessoas.”

Com muito orgulho

“Nos eventos que marcaram a semana do Orgulho LGBTQIA+, participei de uma live com outros profissionais do meio corporativo – Avon, Procter & Gamble e Ambev – que pertencem à comunidade. Essas empresas se uniram por uma causa maior e falamos sobre o Pride Skill (‘Porque ter orgulho de quem você é também é uma skill’), um item que pode ser incluído no perfil pessoal nas redes sociais, como o LinkedIn, para fomentar inclusão, diversidade e aumentar a empregabilidade dos LGBTQIA+. Cada um de nós falou de nossas experiências de como foi se tornar um líder LGBTQIA+ no trabalho. E a minha carreira de 13 anos na L’Oréal acabou sendo a pauta do encontro. Foi um grande prazer dividir minha experiência com mais pessoas. Espero que ser uma mulher lésbica em um cargo de liderança em uma grande empresa seja inspiração para muitas pessoas. Meu intuito é usar minha voz para dar visibilidade a esse tema tão importante. Dizer que podemos ser o que a gente quiser e dividir isso com todo mundo.”

Corações de mães

“A coisa mais importante para mim é a minha família – minha mulher, meus pais e meus três irmãos. Passo muito tempo com eles. Minha mulher e eu estamos juntas há três anos, ela também trabalha com marketing – na área farmacêutica – e, portanto, falamos a mesma língua. Ela tem uma família grande e nós duas crescemos acostumadas com a casa cheia. Por isso, filhos são um debate diário aqui em casa. Ainda não sabemos quando, mas vamos ter. E, com certeza, mais de um. Eles serão amados, teremos orgulho e vamos apoiá-los em tudo e sempre.”

Donata Meirelles é consultora de estilo e atua há 30 anos no mundo da moda e do lifestyle.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: