Por que algumas pessoas ficam dependentes do álcool e outras não?

Fortes evidências mostram que fatores genéticos, biológicos, sociais e psicológicos favorecem a maior ou menor ingestão da bebida.

Arthur Guerra
Compartilhe esta publicação:
boonchai wedmakawand/Getty Images
boonchai wedmakawand/Getty Images

Quem se torna dependente já não consome mais porque é gostoso, mas por sentir falta da bebida

Acessibilidade


Tenho de ser honesto. Deverá ganhar um Nobel o pesquisador que descobrir com 100% de certeza por que algumas pessoas, ainda que bebendo a mesma quantidade de bebidas alcoólicas que outras, tornam-se dependentes. Ainda que haja um componente genético para a dependência, só ele não dá conta de explicar por que algumas pessoas não conseguem largar mais as bebidas. Dois irmãos gêmeos, por exemplo, educados da mesma maneira, que foram expostos a um mesmo ambiente, que compartilham os mesmos genes, podem ter histórias de vida muito diferentes quando se trata do consumo de álcool.

O que nós sabemos – através de fortes evidências  – é que, além dos genéticos, fatores biológicos, sociais e psicológicos favorecem a maior ou menor ingestão de álcool.  A Medicina já sabe, por exemplo, que algumas pessoas têm mais enzimas no fígado capazes de metabolizar a bebida que tomam. Com isso, elas levam mais tempo para ficar embriagadas, ou seja, aguentam beber mais. E quanto maior a quantidade ingerida, maior as chances de ela se tornar dependente. Esse é um dos fatores biológicos envolvidos na dependência.

LEIA MAIS: 3 sinais que indicam que você pode estar exagerando no álcool

Um outro exemplo de fator biológico foi descoberto mais recentemente. Parece haver genes e moléculas no cérebro de pessoas dependentes que contribuem para que elas não consigam frear o seu comportamento autodestrutivo. Porém, essa evidência é apenas indireta, já que o estudo foi feito em ratos.

Algumas pessoas recorrem ao álcool, um relaxante poderoso, porém de curtíssima duração, para conseguir enfrentar uma situação ruim em suas vidas, como um trauma, a perda de alguém querido e até um problema de saúde mental como é a depressão. Como o álcool é um péssimo remédio, cujo efeito só dura alguns poucos minutos, elas voltam a precisar dele para acalmar de novo. O uso contínuo e prolongado de bebidas como se elas fossem uma muleta capaz de ajudá-las a manterem-se de pé e a fugir da realidade em que vivem pode levar ao desenvolvimento do vício.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Quem se torna dependente já não consome mais porque é gostoso, mas porque na falta de uma bebida ela sente um grande desprazer. Para evitar essa sensação de ansiedade causada pela falta de álcool, ela consome ainda mais. Já não é mais um ato espontâneo, mas um ato para aliviar os sintomas de abstinência, entre eles os tremores e alucinações.

 

 

A verdade é que o alcoolismo é resultado de uma combinação desses fatores. No entanto, algumas pessoas têm problemas com a bebida ainda que não tenham nenhum desses fatores de risco. Isso dá ideia de como é complexo esse tema. A dependência de álcool não discrimina. Ela afeta pessoas de todas as idades e classes sociais.

Dr. Arthur Guerra é professor da Faculdade de Medicina da USP, da Faculdade de Medicina do ABC e cofundador da Caliandra Saúde Mental.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: