Por que os fertilizantes encarecem a produção de alimentos

Saiba o que vem afetando esse insumo do qual o Brasil importa 80% da sua demanda.

Helen Jacintho
Compartilhe esta publicação:
Luiz Magnante/Embrapa
Luiz Magnante/Embrapa

No Brasil, 80% dos fertilizantes aplicados nas lavouras são importados

Acessibilidade


Para quem está do lado de fora da porteira, o desempenho do agro impressiona. Mas só quem está dentro da porteira sente na pele os desafios da produção agropecuária. O setor está encarando uma alta vertiginosa de mais de 100% no preço dos fertilizantes, item que representa cerca de 30% do custo das lavouras, como milho e soja.

Um conjunto de fatores levou à disparada do preço dos fertilizantes, dentre eles está a taxa de câmbio, o aumento no valor do petróleo que afetou o transporte marítimo e terrestre, a escassez de contêineres para o envio de produtos da China para o Brasil, a escassez de oferta gerada pela crise energética da China e pela crise diplomática entre a Bielorrussia com a União Europeia e Estados Unidos, além da demanda crescente dos fertilizantes, tanto no Brasil quanto no mundo.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Forbes Brasil (@forbesbr)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Todos esses fatores fizeram com que a oferta não conseguisse acompanhar a demanda e com que os produtores tivessem que desembolsar cada vez mais para produzir. O Brasil depende da importação de insumos, como cloreto de potássio, uréia e fosfato. Nosso país importa cerca de 80% dos fertilizantes utilizados na lavoura para oferecer nutrientes de acordo com as necessidades das plantas e do solo. A conta para os produtores, apesar do preço excelente das commodities, pode não fechar para a soja, por exemplo, pois passamos de uma relação de troca de 14 sacas para uma relação de troca de 32 sacas.

Precavidos por natureza, a maioria dos produtores compraram antecipadamente seus insumos que são corretivos de solo, herbicidas, adubos, coberturas nitrogenadas e outros para a safra 2021/22. Por isso, conseguiram escapar dessas grandes elevações de preços, mas estão apreensivos quanto ao recebimento dos produtos adquiridos para a próxima safra.

Safras menores podem levar à elevação dos custos de alimentação para porcos, galinhas e também para gado leiteiro e de corte, gerando um efeito cascata que pode resultar em preços mais altos para os consumidores. A tendência é que os preços das commodities se acomodem e o elo mais fraco da corrente (os consumidores de um lado e os produtores de outro) é que acabará assumindo esse prejuízo.

Compartilhe esta publicação: