Projeto incentiva busca de novos tratamentos contra o câncer no Brasil

Fernando Maluf
Compartilhe esta publicação:
sanjeri/Getty Images
sanjeri/Getty Images

Pesquisadores poderão executar protocolos de âmbito internacional, recrutando pacientes de diferentes áreas do país para estudos

Acessibilidade


O Brasil deve registrar, em 2022, mais de 625 mil novos casos de câncer, segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer). Apesar de ser um grave problema de saúde pública em nosso país, responsável por dezenas de milhares de mortes por ano, são poucos os investimentos em estudos clínicos nacionais, inclusive na oncologia.

A importância destes investimentos ficou bastante clara nestes tempos de pandemia. A busca por vacinas e medicamentos para frear a disseminação de um vírus desconhecido mostrou a relevância da produção científica realizada com ética, respeitando uma metodologia, com padrões de avaliação e regulamentação sólidos, que garantem a segurança do paciente.

LEIA TAMBÉM: Com vacina contra o câncer, podemos erradicar tumores de colo de útero

E são estas mesmas pesquisas que, por exemplo, contribuem para o desenvolvimento de tratamentos inovadores contra o câncer. Também podem representar uma nova chance para pacientes que já passaram por diversas opções terapêuticas, sem sucesso.

No entanto, os centros de pesquisa ainda se concentram principalmente no eixo Rio-São Paulo, dificultando o acesso de pacientes de outras regiões. Esta concentração também prejudica a formação de nossos cientistas e reforça o gap regional existente em várias áreas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Esse gargalo histórico em nosso país foi o impulso para médicos e cientistas se unirem ao Instituto Vencer o Câncer na organização do projeto Amor à Pesquisa Contra o Câncer no Brasil, iniciativa que vai promover o desenvolvimento de novos centros de pesquisa em regiões onde eles ainda não estão estabelecidos.

Com este apoio, pesquisadores do Norte, Nordeste e Centro-Oeste terão a oportunidade de executar protocolos de âmbito internacional, recrutando pacientes das mais distintas áreas do país para estes estudos.

O primeiro edital de seleção já foi finalizado. A escolha considerou critérios geográficos, populacionais, epidemiológicos e a estrutura da instituição. Os selecionados receberão suporte técnico e financeiro por dois anos, durante uma fase de implementação e desenvolvimento.

Pretendemos que o Projeto Amor à Pesquisa Contra o Câncer no Brasil seja um incentivo e sirva de inspiração para que mais investigadores, pesquisadores e cientistas de todo o Brasil desenvolvam novas propostas para estimular melhores condições de saúde em nosso país.

Com esta ideia pioneira, podemos educar nossa sociedade sobre pesquisas científicas, a segurança e os critérios éticos e técnicos envolvidos e estimular a busca por novas opções terapêuticas para o controle e cura de diversos tipos de câncer.

Fernando Maluf é cofundador do Instituto Vencer o Câncer e professor livre-docente da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: