Expo Favela coloca a favela na agenda do asfalto

Assentamentos informais são mal por compreendidos organizações de desenvolvimento, investidores e governos locais.

Haroldo Rodrigues
Compartilhe esta publicação:
Getty Images/Joao Gurgel
Getty Images/Joao Gurgel

Evento conta com 300 representantes de fundos de investimento

Acessibilidade


A favela está de pé e continuará em pé. Com mais de 120 anos, os assentamentos informais da cidade do Rio de Janeiro são alguns dos mais antigos do mundo moderno. A informalidade possui uma história surpreendentemente rica, onde sua gente se orgulha cada vez mais e mantém o instinto de preservação, crescimento e desenvolvimento econômico.

Essa visão das favelas como comunidades dignas de reconhecimento e preservação contrasta fortemente com as presunções negativas comumente feitas sobre elas, seja pela mídia, organizações de desenvolvimento, governos locais, investidores ou acadêmicos, entre outros.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

No entanto, a má compreensão das favelas no meio das organizações de desenvolvimento, dos investidores e dos governos locais é a mais prejudicial de todas, porque essas são as instituições que de fato têm um impacto direto nas políticas que afetam os moradores, seu desenvolvimento, sua sensação de segurança e sua mobilidade ascendente, diz o economista peruano Hernando de Soto.

Com o passar dos anos, os assentamentos informais de algumas regiões do Brasil deixaram de ser favelas caracterizadas principalmente por condições de miséria e insalubridade, ou por construções precárias e moradias improvisadas. De geração em geração, os moradores, em sua maioria, suplantaram o que antes eram condições de vida mínimas e investiram o máximo possível em suas casas e bairros, gerando uma economia própria e bastante dinâmica.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Isso significa que as favelas vivem em um estado de limbo, em teoria reconhecidas como merecedoras de direitos e investimentos, mas não na prática – trazendo de volta a terminologia da informalidade.

É bom que se diga que na diversidade dos aglomerados urbanos no Brasil, há uma distinção clara entre favela e asfalto. O termo local para as áreas atendidas – tipicamente de classe média e alta – da cidade é asfalto (isso, literalmente, “asfalto”), que é justamente o oposto a “favela”.

Leia também: Favelas, próxima fronteira do comércio eletrônico da Americanas

Dentro da dualidade de visão de mundo, conceituar “asfalto” como substituto da cidade formal implica duas coisas: (1) formal é investimento em infraestrutura; e (2) infraestrutura, particularmente o asfalto, é inerentemente boa.

Por sua própria natureza e por estarem justapostas ao asfalto, as favelas são caracterizadas pela ausência de serviços, e seus moradores são condicionados a acreditar que o investimento em infraestrutura, principalmente o asfalto, é um ideal a ser buscado.

É nesse ponto que nasce a Expo Favela, uma iniciativa ousada e inovadora de um dos maiores empreendedores sociais do Brasil, Celso Athayde, CEO da Favela Holding. Será um evento disruptivo, um encontro de oportunidades para as favelas e o asfalto.

Durante três dias – 15, 16 e 17 de abril – cerca de 300 representantes de fundos de investimentos devem conhecer os 350 empreendedores selecionados em favelas de todo o Brasil. Assim, conectar investidores com os empreendedores da favela é o objetivo da primeira edição da Expo Favela.

Em outras palavras, a Expo Favela irá trazer a favela para o asfalto. Como? Com uma feira de negócios cujos expositores são empreendedores e startups da favela. O propósito maior é dar visibilidade aos negócios de impacto e, assim, promover um palco para o encontro com investidores que possam acelerar os negócios.

Para Celso Atahyde, a favela não é carência, mas uma grande potência, uma forma de corrigir o olhar recheado de compaixão equivocada e preconceito com uma região que produz e consome R$ 120 bilhões por ano. Para colocar na agenda a favela e sua movimentação, o local escolhido para o evento foi o WTC, espaço que está no epicentro econômico de São Paulo, onde circula boa parte do PIB brasileiro.

Ainda como destaque, logo no primeiro dia, haverá a divulgação de uma pesquisa inédita realizada pelo Data Favela sobre o cenário do empreendedorismo na favela, com dados apresentados por Celso Athayde e Renato Meirelles.

Há uma certeza antecipada: as favelas são locais produtivos, vibrantes, únicos e emocionantes, de produção cultural e bem-estar social. E isso não acontece apesar de sua natureza informal, mas por causa da sua gente.

Haroldo Rodrigues é sócio-fundador da investidora in3 New B Capital S.A. Foi professor titular e diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Universidade de Fortaleza e presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Ceará.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: