Indústria de games na China tem 1ª queda em receita em 14 anos

A receita combinada do setor caiu 1,8%, para 147,7 bilhões de iuans (21,8 bilhões de dólares) nos seis meses encerrados em junho

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Florence Lo/Reuters
Florence Lo/Reuters

Jogador em frente ao computador em uma partida online

Acessibilidade


A receita do setor de videogames da China caiu no primeiro semestre pela primeira vez desde que os dados foram disponibilizados há 14 anos. O maior mercado no setor do mundo tem sido fortemente impactado por intensa atividade de regulação pelo governo.

A receita combinada do setor caiu 1,8%, para 147,7 bilhões de iuans (21,8 bilhões de dólares) nos seis meses encerrados em junho, de acordo com um relatório publicado hoje (21) pela China Audio-Video and Digital Publishing Association, um grupo da indústria apoiado pelo Estado.

Os números marcam a primeira queda desde que os dados começaram a ser publicados em 2008 e reflete como a enorme indústria de videogames da China, antes marcada por um crescimento desenfreado, foi fortemente atingida por esforços do governo chinês para reforçar a supervisão sobre o setor, inclusive reduzindo o número de concessões de licenças para novos games e limitando o tempo de uso de telas por adolescentes.

O relatório também mostra que o número de jogadores em todo o país caiu pela primeira vez, para 665,69 milhões ante 666,57 milhões relatados em dezembro.

A receita doméstica das empresas chinesas de games caiu 4,25%, para 124,5 bilhões de iuans. Com regulamentações pesadas em casa, as empresas estão se voltando para os mercados estrangeiros em busca de crescimento, onde a receita aumentou 6,16%, para quase 9 bilhões de dólares no período.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A China congelou aprovações para novos videogames por quase nove meses antes de retomá-las em abril. Entretanto, gigante da indústria, incluindo Tencent e NetEase ainda não receberam licenças para novos títulos serem lançados no mercado.

Compartilhe esta publicação: