EXCLUSIVO: Startup mineira desenvolve teste de Covid-19 que fica pronto em 15 minutos e custa menos de R$ 50

Divulgação
Divulgação

Laboratório da Safetest em Belo Horizonte: tecnologia 100% brasileira

Criada em 2016 com a missão de levar as tecnologias de testagem desenvolvidas nas universidades para o mercado, a Safetest aproveitou seu expertise no assunto e vai lançar, nos próximos dias, um teste especialmente formulado para a detecção do novo coronavírus.

A startup mineira, que está em vias de aprovar, junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), um teste para a Leishmaniose Canina – doença que pode ser transmitida de animais para humanos e vice-versa – , criado em parceria com a UFMG, aproveitou o know-how e adaptou sua infraestrutura em biotecnologia para, em dois meses, criar uma versão de testagem capaz de atender às recentes necessidades criadas pela pandemia de Covid-19 com prazos e custos menores.

“Graças a esse primeiro desenvolvimento, entendemos que o método que criamos pode ser utilizado para qualquer doença infecciosa”, explica Felipe Peixoto, cofundador e CEO da startup. Segundo ele, o teste só não ficou pronto antes por falta de amostras de sangue positivas. Ou seja, a empresa teve que esperar a doença chegar até aqui para começar o trabalho.

LEIA MAIS: Carlos Wizard diz que brasileiros podem ter acesso à vacina contra a Covid-19 no segundo semestre

Com tecnologia 100% nacional, o Safetest Covid-19 é um teste sorológico rápido para detecção dos anticorpos IgG e IgM contra o Sars-CoV-2 semelhante ao teste de dosagem de glicose, feito com um gota de sangue. Peixoto explica que a principal diferença na comparação com as alterativas de mercado é o uso de partículas virais sintéticas de base proteica, ou seja, criadas em laboratório, ao contrário dos antígenos usados nos processos tradicionais – e importados da China, da Coreia do Sul e da Espanha, já que não há similares nacionais.

Apesar de facilitar o desenvolvimento, do ponto de vista logístico, e de baratear o processo, o executivo diz que a escolha pela tecnologia foi muito mais influenciada pelo fator qualidade, avaliado em função de dois indicadores principais – sensibilidade e especificidade. “Estamos terminando a validação clínica com 400 amostras, mas os resultados preliminares indicaram 100% de sensibilidade e 99,5% de especificidade. Os testes aprovados pelo FDA [entidade norte-americana correspondente à Anvisa], de todas as partes do mundo, tem índices muito semelhantes”, diz Peixoto. E, quanto mais altos estes indicadores, menor a possibilidade de dar falso positivo ou falso negativo.

Segundo o executivo, o teste pode ser um aliado poderoso nos processos de reabertura, de maneira a conduzi-los de forma mais segura. Isso porque ele identifica as fases de contaminação. Caso o Safetest Covid-19 mostre a presença de IgM e não de IgG, o diagnóstico sugerido é que o paciente foi recentemente infectado pelo coronavírus Sars-Cov-2 (fase aguda da infecção) e, possivelmente, o vírus pode estar circulando no paciente. Se o teste mostrar IgG positivo e IgM negativo, indica que a pessoa já teve contato com o vírus em algum momento e a fase aguda da infecção já passou, estando o paciente na fase crônica ou já curado. O resultado IgM e IgG positivos indica que o contaminado se encontra na fase transitória da infecção, entre a fase aguda e a fase crônica. A produção de anticorpos IgG pode prevenir uma reinfecção. Neste caso, se for exposto ao mesmo microrganismo, o corpo poderá responder com mais intensidade e rapidez.

Siga todas as novidades da Forbes Insider no Telegram

O executivo explica que outro benefício do teste criado na capital mineira é o fato de ser universal, o que significa que ele é capaz de detectar qualquer variação já identificada do vírus, em qualquer parte do mundo. “Mais de 3.000 genomas foram analisados”, conta.

Divulgação
Divulgação

Felipe Peixoto, CEO da startup mineira Safetest

A estratégia comercial da empresa contempla duas versões do teste: o Elisa, que possibilita a testagem de 96 amostras simultaneamente, para laboratórios, e em fita, semelhantes ao de gravidez, para o consumidor final. Peixoto diz que a composição do custo está sendo finalizada, mas que a estimativa é de que não passe de R$ 50. “Como ainda não é permitido que as pessoas retirem seu próprio sangue para a testagem, elas terão que fazer na farmácia. O resultado sai em até 15 minutos.”

Peixoto explica que o pedido de aprovação na Anvisa seguirá nos próximos dias e estima sua aprovação em, no máximo, duas semanas. Em paralelo, a empresa vai dar entrada no mesmo processo junto ao FDA, em território norte-americano, e se prepara para conquistar outros países do mundo.

Para isso, conta com a ajuda da Dream2b, especialista na internacionalização de startups, que investiu na Safetest há três anos e a levou para o Canadá, para participar de seu programa de aceleração. “Agora, com o desenvolvimento do teste para a Covid-19, voltamos a conversar. Já temos parceiros canadenses interessados em levar a solução para o mundo todo”, diz Regina Noppe, CEO da Dream2b. Um deles é o braço de health da empresa de venture capital Victory Square Technologies, que prevê, inclusive, a instalação de uma base no país para, de lá, abrir as portas para outros mercados internacionais.

A Safetest, que também já tem encaminhados testes para hanseníase, doença de Chagas e toxoplasmose, tem capacidade de produção de 1 milhão de testes rápidos e 1 milhão de testes ELISA para Covid-19 por mês. Com parcerias, a empresa pode aumentar esse volume para 3 milhões.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).