EXCLUSIVO: Aposentadoria precoce, economia comportamental, guerra fria tecnológica: EY detalha mega-tendências aceleradas pela pandemia

GettyImages
GettyImages

Tomadores de decisão têm dificuldade em usar tendências na estratégia, mas vão precisar fazer isso para se manterem competitivas

A adoção rápida de tecnologia, bem como outras mudanças aceleradas pela crise fizeram com que certas tendências já traçadas por futuristas antes da crise da Covid-19, em temas como o futuro do trabalho e a reinvenção da saúde, ficassem ainda mais próximas da realidade. A crise também reforçou outra teoria, de que a disrupção não é advinda de novas tecnologias ou modelos de negócio, e que gestores precisam se preparar com elementos além do tradicional para explorar novos nichos e para se preparar para o inesperado.

Com estas constatações em mente, a gigante de consultoria EY aponta um conjunto de mega-tendências, em um relatório obtido com exclusividade pela FORBES. O trabalho parte do conceito de curva S, em que um modelo ou ferramenta tecnológicas é adotada de forma inicialmente lenta à medida em que se desenvolve, até uma fase de aceleração trazida pelo amadurecimento e, finalmente, uma estabilização ao longo do tempo, com um achatamento no desempenho e retorno do conceito ou ferramenta em questão.

LEIA MAIS: VEJA MAIS: Forbes promove primeiro webinar sobre Saúde Mental nas empresas. Participe

A próxima curva S está no horizonte, segundo o relatório, e as mega-tendências descritas refletem estas mudanças para um futuro próximo. Nestes cenários, contratos sociais são transformados para se tornarem mais inclusivos e sustentáveis e organizações são forçadas a pensar em geração de valor para o longo prazo. Neste cenário, mega-tendências funcionam como uma ferramenta analítica para projetar onde se estará no futuro, e trabalhar de forma reversa para criar estratégias para se preparar para mudanças inevitáveis e repentinas.

Segundo o relatório, tomadores de decisão tem dificuldade em usar tendências e cenários futuros em estratégias por uma série de razões, incluindo inabilidade de identificar incertezas e tendências que empresas tem receio em confrontar. Além disso, existe a dificuldade em apostar no longo prazo em modelos e abordagens que ainda não foram testadas, bem como o desafio de garantir o investimento em inovação para o longo prazo sem deixar de entregar resultados no curto-prazo.

“CEOs e boards precisam focar nestas tendências agora para se manterem competitivas”, diz o vice-chairman global de mercados da EY, Jay Nibbe. Segundo o executivo, as mega-tendências apontadas pela consultoria já existiam antes da pandemia e continuarão a ser relevantes depois que a emergência de saúde pública for superada.

“A estrutura básica das mega-tendências, ou seja, as forças que as impulsionam e os mundos futuros do trabalho que elas habilitam, continuam mais relevantes do que nunca”, ressalta Nibbe.

As atuais demandas e oportunidades do mercado pós-coronavírus não são tão raras assim, segundo Nibbe, da EY. Prova disso é a emergência de unicórnios, empresas que operam nos moldes da curva S e se tornaram líderes de mercado e que foram assim definidas por serem tão raras.

O executivo argumenta, no entanto, que essa abordagem de startups de alto crescimento se tornará cada vez mais a regra deu que exceção: “Toda empresa terá que reinventar sua estratégia e abordagem para operar de acordo com as regras da curva S”, aponta.

As causas da disrupção

Segundo a estrutura de mega-tendências descrita no relatório da EY, existem forças primárias que impulsionam a disrupção em organizações, distribuídas em quatro áreas distintas: tecnologia, globalização, fatores demográficos e ambientais. A consultoria nota que estas forças não são uma novidade, mas evoluem em ondas, e a tecnologia é um exemplo deste movimento, tendo passado pelo advento dos computadores pessoais e pelo surgimento da World Wide Web até a Internet das Coisas.

Forças presentes nos quatro pilares apontados no relatório são a ampliação de capacidades humanas com tecnologia, através do 5G, edge computing, que desloca poder computacional da nuvem para dispositivos; sensores de alta precisão, computação quântica e uma nova geração de baterias para apoiar este cenário onde as capacidades humanas são incrementadas com tecnologia.

Uma reinvenção da globalização com base no nacionalismo e populismo, com competição entre países pela liderança em tecnologias como inteligência artificial está entre as forças de disrupção apontadas no relatório. Outra é a emergência da Geração Z, nascida na era digital entre 1995 e 2015, e tem a pressão para ter sucesso profissional, bem como acúmulo de capital e consumo desacelerado entre suas principais características.

Além disso, o impacto de eventos climáticos de grande escala também é citado no relatório, como um elemento que pode fazer com que situações socioeconômicas precárias se tornem disrupção com consequências potencialmente desastrosas, dada a falta de preparo, resiliência e lançamento de países, bem como cenários de desigualdade existente.

Com base nestas forças, a consultoria questiona aspectos que serão fundamentalmente reformulados pela pandemia, espelhados nas mega-tendências traçadas no relatório. A consultoria fala em novas regras, normas, instituições e redes, bem como na reinvenção de sociedades e economias com a mudança de contratos sociais e do papel das empresas na mudança da sociedade. Além disso, questiona como os comportamentos de indivíduos e famílias mudarão, bem como empresas e os mercados serão fundamentalmente alterados pela crise.

Conheça as mega-tendências para o mundo além da pandemia traçadas no relatório da EY:

  • 1. Decarbonização

    Com a urgência de limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais, a primeira mega-tendência do relatório EY se concentra em um foco na descarbonização, com ações de remoção de carbono que agregam valor no longo prazo e demonstram liderança em questões relacionadas ao clima. Segundo a consultoria, o fracasso em avançar na descarbonização resultará em grandes problemas sociais e econômicos.

    Os objetivos da liderança corporativa em termos de sustentabilidade em relação ao clima mudaram de forma significativa, diz o relatório da EY. Não basta ser neutro: empresas devem fazer contribuições positivas, adotando, por exemplo, energia renovável, operações de transporte elétrico e soluções de remoção de carbono para reverter suas emissões.

    A EY alerta que uma tendência de maior transparência vai expor empresas a um maior escrutínio por partes interessadas em maior sustentabilidade de seus parceiros. As mesmas tecnologias que monitoram o seqüestro de carbono conseguem analisar os ativos corporativos para medir emissões de carbono e metano e o uso da terra, e os dados resultantes destas análises informarão as decisões dos investidores, empresas de seguro e ativistas.

    A empresa de consultoria argumenta que uso de soluções de remoção de carbono pode gerar benefícios, como uma reversão de emissões de carbono e garantias de vantagem competitiva ao se antecipar a movimento regulatórios, além de gerar boa vontade do consumidor.

    Para responder a essa mega-tendência, as perguntas que o relatório coloca aos tomadores de decisão incluem considerar quais soluções de remoção de carbono podem ser adotadas para acelerar e expandir o alcance dos compromissos climáticos das organizações. Outra sugestão é analisar quanto das emissões poderiam gerar valor, independentemente ou com parceiros.

    getty
  • 2. Guerra Fria Tecnonômica

    Populismo e disputas comerciais, bem como uma corrida armamentista tecnológica, ataques cibernéticos e guerra de informação são parte de outra mega-tendência descrita no relatório da EY. A consultoria observa que governos com instintos intervencionistas chegaram para ficar e consolidaram seu poder – apesar de a a pandemia do COVID-19 ter minado a credibilidade de alguns líderes – pois as forças que os impulsionam, como desigualdade econômica e desemprego, são tendências de longo prazo.

    À medida que os limites entre a política e o mundo dos negócios desaparecem, surge uma variedade de ferramentas protecionistas, de tarifas a boicotes corporativos, guerra cibernética e desinformação. Com novos instrumentos de intervencionismo sendo direcionados às empresas, a empresa de consultoria observa que a navegação nesse ambiente em constante mudança requer uma compreensão das novas regras e riscos.

    A EY argumenta que esse futuro de guerra fria é permanente, invisível – e repleto de riscos para as empresas multinacionais. Essa guerra tecnológica e sem sangue será cada vez mais atraente para aqueles que a travam, e é por isso seria cada vez mais frequente. Ataques cibernéticos e de informações são consideravelmente mais baratos que os convencionais e podem ser implantados com grande precisão. Dentro dessa mega tendência, a EY observa que a guerra cibernética se expandiu para o novo domínio da desinformação e que o alvo não é mais infraestrutura física, dados ou dinheiro, mas a própria verdade.

    Tomadores de decisão devem considerar sua prontidão em termos de preparo para os riscos cibernéticos que se aproximam, diz a EY, como desinformação estruturada e os chamados deepfakes, bem como quais riscos seriam enfrentados em uma ordem internacional menos transparente e menos governada por regras e normas, bem como e como uma ordem internacional balcanizada afetaria as operações globais dos negócios.

    getty
  • 3. Economia comportamental

    Evoluindo o conceito de dados como o novo petróleo, a EY argumenta que comportamentos são os novos dados. O relatório fala sobre os recursos sofisticados que empresas e governos podem usar para explorar um mundo de instrumentos de persuasão cada vez mais precisos e sofisticados.

    Segundo a consultoria, o comportamento está se tornando uma mercadoria – quantificada, padronizada, empacotada e comercializada, da mesma forma em que os dados do consumidor são atualmente tratados. Essa comoditização, combinada com o amadurecimento de disciplinas como economia comportamental e computação afetiva, uma evolução da inteligência artificial, dará às empresas e governos a capacidade de influenciar e moldar nosso comportamento como nunca foi visto antes.

    Os governos estabelecerão as regras do jogo com a regulamentação para tentar garantir a privacidade, diz a EY, mas também eles mesmos adotarão algumas dessas técnicas, promovendo mudanças comportamentais para gerar melhores resultados sociais e reduzir os gastos públicos. As empresas, por outro lado, poderão explorar o potencial de mercado decorrente da demanda do consumidor por abordagens inovadoras, usando recursos comportamentais para criar melhor engajamento com eles, ao invés de explorá-los e aliená-los.

    O desafio, diz a consultoria, será fazer tudo isso de maneiras que não alimentem medos sobre vigilância, e evitar uma redução na confiança. Também será preciso ter habilidades para explorar as oportunidades e mitigar riscos regulatórios, de reputação e de mercado.

    getty
  • 4. Mídia Sintética

    A mídia sintética é outra mega tendência que está surgindo como um novo e importante risco cibernético para as empresas em um ambiente de confiança deteriorada, segundo o relatório da EY. Com a mídia sintética, tornou-se mais do que nunca fabricar áudio, vídeo e texto realistas de eventos que nunca ocorreram, observou o relatório. Embora campanhas eleitorais, políticos e celebridades tenham sido os principais alvos da mídia sintética, o risco para as empresas está começando a surgir, com grandes perigos à vista para a reputação da marca, a fidelidade do cliente, e para o desempenho das ações.

    De acordo com a EY, tomadores de decisão devem considerar as ameaças trazidas pela desinformação e deepfakes em suas organizações, desde operações e marketing a funcionários até a percepção do cliente sobre a organização. Novas ferramentas e técnicas de autenticação precisarão se tornar parte de estratégias mais amplas de segurança cibernética.

    Também será necessário pensar em como as estruturas e estratégias de gerenciamento de riscos precisarão mudar para dar conta e atenuar a ameaça da mídia sintética, e quais são as tecnologias e as tecnologias não tecnológicas. Empresas precisarão adotar abordagens para ajudar clientes e funcionários a distinguir informações autênticas de falsificação. Ferramentas e técnicas para combater o surgimento da mídia sintética mencionada no relatório incluem análise forense digital, marca d’água digital, hashing e blockchain.

    getty
  • 5. Futuro do pensamento

    Sobre as mudanças em nossa forma de pensar, uma mega-tendência importante apresentada no relatório da EY se refere a como a inteligência artificial, deepfakes e veículos autônomos mudam as faculdades mentais – e transformam trabalhadores e consumidores. O relatório prevê avanços adicionais em como a tecnologia muda a maneira como pensamos, indo além do enorme impacto que as mídias sociais e os smartphones já têm sobre comportamento e cognição, para efeitos ainda mais amplos advindos da onda de tecnologias de aperfeiçoamento humano, como a IA, robôs e veículos autônomos.

    Esses avanços criarão desafios significativos para indivíduos e empresas – de marketing a recursos humanos e relações com investidores, com funções inteiras dedicadas a entender e influenciar essas partes interessadas – e governos, em termos de como eles interagem com clientes, funcionários e cidadãos, diz o relatório.

    Tomadores de decisão precisam pensar em como a tecnologia está remodelando as habilidades cognitivas de seus clientes, funcionários e investidores. Perguntas cruciais para se pensar incluem quanta produtividade é perdida devido à redução da atenção e às distrações nas mídias sociais, bem como à preparação para os ataques cibernéticos da próxima geração que usam desinformação armada ou vídeos deepfake. Um ponto ainda mais importante mencionado no relatório é sobre como organizações precisarão garantir que são confiáveis a seus principais stakeholders em um momento em que a confiança está em baixa.

    getty
  • 6. Trabalho e vida sem limites

    Um mundo sem fins de semana, faculdades substituídas pela aprendizagem ao longo da vida, aposentados de 30 anos e trabalhadores de 70 anos. Estes são alguns exemplos mencionados em outra mega-tendência descrita no relatório da EY, sobre o futuro do trabalho, lazer e aprendizado sem limites. Segundo a consultoria, um futuro em que os indivíduos adotem uma abordagem de portfólio está no horizonte, onde pessoas reequilibram a combinação dessas três atividades de acordo com as mudanças nas circunstâncias da vida.

    Essa mega-tendência significará que as empresas terão que otimizar e gerenciar suas forças de trabalho – do recrutamento ao treinamento e ao planejamento da aposentadoria – pois são baseadas nas maneiras pelas quais o trabalho, a aprendizagem, o lazer e a aposentadoria são tradicionalmente estruturados. Com a reformulação das estruturas, o relatório sugere que há uma oportunidade de repensar fundamentalmente o ambiente de trabalho, as abordagens para o aprendizado e o significado da aposentadoria de maneiras mais alinhadas com o futuro do trabalho.

    A EY sugere que organizações considerem se estão reinventando o aprendizado como contínuo, flexível e personalizado. Também questiona se líderes estão preparando trabalhadores para um futuro fluido de aposentadoria e se estão construindo experiências de funcionários que transcendam os limites físicos do ambiente de trabalho.

    GettyImages
  • 7. Microbiomas

    O aproveitamento das capacidades dos micro-organismos criará oportunidades de inovação em todos os setores, de acordo com o relatório da EY. Os onipresentes microbiomas são organismos essenciais para a sustentabilidade humana e ambiental global, com uma vasta diversidade genética que representa uma fonte de riqueza bioquímica com aplicações em todos os setores, diz a EY. Segundo o relatório de mega-tendências, as inovações que trabalham com microbiomas e liberam seu potencial com a biologia sintética podem ajudar a resolver os problemas de negócios da humanidade.

    Perguntas colocadas no relatório dentro desta mega tendência incluem pensar como as inovações que usam este “baú do tesouro bioquímico” do microbioma podem melhorar a sustentabilidade ou o desempenho de produtos e operações de empresas, bem como como organizações podem expandir seu ecossistema de inovação para abranger o microbioma.

    GettyImages
  • 8. Biologia sintética

    Conectado à mega-tendência anterior, a EY argumenta que a capacidade de ler e reescrever o código da vida está transformando a maneira como tratamos doenças, produzimos coisas e nos alimentamos. Sapatos de couro cultivado em laboratório, ovos sem galinha, leite sem vaca, carros equipados com bioplásticos e movidos a biocombustíveis, remédios genéticos, armazenar informações por milênios em um dispositivo baseado em DNA do tamanho de um cubo de açúcar. Em vez de cenários de ficção científica, a EY vê movimentos como estes, promovidos pela biologia sintética, como uma oportunidade real que inovadores estão aproveitando.

    A análise da empresa de consultoria mostra que o investimento privado anual em synbio, como é chamada a biologia sintética em ecossistemas de inovação internacionais, atingiu US$ 4,4 bilhões em 2019, um aumento de 310% desde 2010. Nesse contexto, o relatório aconselha executivos a pensar em novas possibilidades para cadeias de suprimentos, materiais, manufatura, logística e modelos de negócios que a synbio pode criar, bem como oportunidades de inovação para trazer a biologia sintética para a cadeia de valor.

    getty-images

1. Decarbonização

Com a urgência de limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais, a primeira mega-tendência do relatório EY se concentra em um foco na descarbonização, com ações de remoção de carbono que agregam valor no longo prazo e demonstram liderança em questões relacionadas ao clima. Segundo a consultoria, o fracasso em avançar na descarbonização resultará em grandes problemas sociais e econômicos.

Os objetivos da liderança corporativa em termos de sustentabilidade em relação ao clima mudaram de forma significativa, diz o relatório da EY. Não basta ser neutro: empresas devem fazer contribuições positivas, adotando, por exemplo, energia renovável, operações de transporte elétrico e soluções de remoção de carbono para reverter suas emissões.

A EY alerta que uma tendência de maior transparência vai expor empresas a um maior escrutínio por partes interessadas em maior sustentabilidade de seus parceiros. As mesmas tecnologias que monitoram o seqüestro de carbono conseguem analisar os ativos corporativos para medir emissões de carbono e metano e o uso da terra, e os dados resultantes destas análises informarão as decisões dos investidores, empresas de seguro e ativistas.

A empresa de consultoria argumenta que uso de soluções de remoção de carbono pode gerar benefícios, como uma reversão de emissões de carbono e garantias de vantagem competitiva ao se antecipar a movimento regulatórios, além de gerar boa vontade do consumidor.

Para responder a essa mega-tendência, as perguntas que o relatório coloca aos tomadores de decisão incluem considerar quais soluções de remoção de carbono podem ser adotadas para acelerar e expandir o alcance dos compromissos climáticos das organizações. Outra sugestão é analisar quanto das emissões poderiam gerar valor, independentemente ou com parceiros.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).