Dólar crava novo recorde em reação ao noticiário local

ReutersDado-Ruvic
Na B3, o dólar futuro tinha ganho de 1,67%, a R$ 5,5555, às 17h22

O dólar fechou hoje (23) acima de R$ 5,52 pela primeira vez, batendo recordes históricos pelo segundo dia consecutivo diante do clima de incerteza no mercado doméstico do lado político e econômico.

O real liderou com folga as perdas entre as principais moedas nesta sessão e tomou do rand sul-africano o nada honroso posto de divisa com pior desempenho global no ano, com queda de 27,41% (alta de 37,75% do dólar).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

A moeda dos EUA já vinha em alta durante boa parte do dia, o que levou o Banco Central a realizar duas ofertas líquidas de contratos de swap cambial tradicional (que equivalem a injeção de liquidez no mercado futuro). No total, foi colocado US$ 1 bilhão nesses derivativos.

A cotação chegou a desacelerar a alta, mas retomou máximas em seguida e ganhou ainda mais tração por volta de 14h30, quando foi publicada a notícia de que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, teria pedido demissão depois de decisão do presidente Jair Bolsonaro de trocar a diretoria-geral da Polícia Federal.

A Reuters apurou que Moro ameaçou deixar o cargo se Bolsonaro decidir trocar o diretor-geral da PF.

A reação foi imediata em todo os mercados. O dólar saltou de R$ 5,46 para perto de R$ 5,50. O juro longo disparou quase 20 pontos-base. E “a Bolsa perde mais de mil pontos em segundos”, disse Henrique Esteter, analista de research e equity sales na Guide Investimentos.

O mercado reagiu negativamente por entender que as notícias sinalizam mais tensões políticas dentro do governo e que uma saída de Moro poderia acabar piorando a avaliação do próprio presidente. Moro está entre os ministros mais bem avaliados pela população.

Essa nova frente de incerteza vem depois da demissão do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, também bem avaliado pelos eleitores.

No fim do dia, o dólar à vista terminou em alta de 2,19%, a R$ 5,5278 na venda, novo recorde histórico nominal e na maior valorização percentual desde o fim de março. A cotação encerrou em torno das máximas do dia.

Na B3, o dólar futuro tinha ganho de 1,67%, a R$ 5,5555, às 17h22.

As incertezas políticas retroalimentam temores de que o governo não consiga retomar a agenda de reformas, especialmente depois do aumento de gastos decorrentes da pandemia do coronavírus.

Nas contas do UBS, o dólar poderia chegar a R$ 7,35 ao fim de 2021 no pior dos cenários. “Acreditamos que o caminho final adotado pelo real dependerá crucialmente de o Brasil poder voltar e fortalecer seus esforços de reforma após o auge da atual pandemia”, disseram os economistas Tony Volpon e Fabio Ramos em nota.

VEJA TAMBÉM: Como escolher onde investir em momentos de crise

A DWS, gestora do Deutsche Bank, vai na mesma linha de preocupação fiscal. “Mais para o fim do ano é que vamos ter mais noção de que como ficará o fiscal. Dependendo da resposta que teremos vamos saber se haverá mais pressão [de alta] no dólar ou não”, disse Luiz Ribeiro, gerente do fundo de ações para a América Latina da DWS.

Para ele, o valor “justo” para o real estaria atualmente mais entre R$ 4,70 e R$ 4,80 do que em torno dos patamares atuais. Mas Ribeiro ponderou ser difícil saber o “timing” em que haverá uma convergência para esse nível. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).