Apresentado por       

Dólar bate recorde perto de R$ 6, mas vira e fecha em queda

Moeda norte-americana terminou o dia a R$ 5,82.

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
REUTERS-Mohamed
REUTERS-Mohamed

O dólar à vista caiu 1,37%, a R$ 5,8202 na venda.

Acessibilidade


O dólar fechou em firme queda de mais de 1% hoje (14), numa sessão marcada por volatilidade e pela aproximação da moeda da marca de R$ 6 pela manhã, movimento contido pela melhora externa e por duas intervenções do Banco Central no mercado de câmbio.

Wall Street se recuperou ao longo da tarde e fechou em alta, após queda mais cedo. No Brasil, também respaldou o alívio no câmbio encontro entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto. Em coletiva, Maia defendeu que seja retomado o diálogo entre os Poderes e em todas as esferas da administração na busca de uma solução para a crise do coronavírus.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O dólar à vista caiu 1,37%, a R$ 5,8202 na venda.

A moeda ascendeu ao longo das duas primeiras horas de pregão até bater a máxima recorde intradia de R$ 5,9725 (+1,21%) às 11h05. Às 11h15, o BC anunciou o primeiro leilão do dia – oferta de até US$ 1 bilhão em contratos de swap cambial, dos quais vendeu US$ 890 milhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A cotação imediatamente perdeu força e assim ficou até por volta de 14h30, quando as compras retornaram e fizeram novamente o dólar superar os R$ 5,92 perto das 16h. O BC, então, anunciou leilão de dólar à vista, colocando um total de US$ 520 milhões.

No total, o BC vendeu US$ 1,410 bilhão, acima dos US$ 880 milhões de ontem (13).

Analistas, contudo, seguem céticos quanto a uma melhora significativa no mercado.

“Você não tem referência de preço hoje. Antes se falava de R$ 4, de R$ 4,20, de R$ 4,50, de R$ 5. Agora, não há a que [cotação] se apegar”, disse Roberto Serra, gestor sênior de câmbio da Absolute Investimentos.

Ele chama atenção para o menor volume de negócios do mercado primário – por onde passa dinheiro “novo”. Nas oito primeiras sessões de maio, a média diária de negociação está em US$ 865,5 milhões, 20% abaixo do mesmo período do ano passado. “O fluxo está menor, então qualquer movimentação acaba fazendo preço”, disse.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Fechamento de mercado, com Francine Mendes, na Forbes Money.

Uma publicação compartilhada por Forbes Brasil (@forbesbr) em

O real deprecia 31,05% neste ano, pior desempenho entre seus principais rivais, enquanto outros ativos brasileiros também sofrem diante do aumento da desconfiança de investidores estrangeiros com a situação econômica, política, fiscal e de saúde do país.

No Twitter, o economista-chefe do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), Robin Brooks, disse que há algo no mercado que “desgosta intensamente do Brasil”, citando a saída recorde de investimentos em carteira do país.

“As saídas [de capital] do Brasil em março foram um evento com desvio padrão de -6,0, ou seja, completamente além de qualquer coisa já vista antes…”, disse Brooks, comparando o fluxo negativo do Brasil com o de outros mercados emergentes.

Segundo os últimos dados disponibilizados pelo Banco Central, a saída de investimentos em carteira alcançou US$ 22,068 bilhões em março, um recorde – somando ações e renda fixa negociadas no mercado doméstico. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: