Dólar descola de exterior, sobe ante real e fecha a R$ 5,76

gettyimagesPriscilaZambotto
gettyimagesPriscilaZambotto

O dólar à vista fechou em alta de 0,67%, a R$ 5,7609 na venda, depois de cair 2% ontem (18)

O dólar fechou em alta ante o real hoje (19), perto das máximas do dia e com a moeda brasileira na contramão dos mercados globais de câmbio, conforme investidores recompuseram posições um dia após a cotação sofrer a maior queda do mês.

O dólar à vista fechou em alta de 0,67%, a R$ 5,7609 na venda, depois de cair 2% ontem (18).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Ao longo da sessão, a moeda oscilou entre queda de 0,69% (para R$ 5,683) e valorização de 0,75% (a R$ 5,7653).

Na B3, o dólar futuro ganhava 0,59%, a R$ 5,7595, às 17h45.

Expectativas cada vez piores para a economia, perspectiva de juros nas mínimas históricas e falta de visibilidade para a volta dos debates sobre reformas econômicas mantêm o real pressionado.

O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, afirmou nesta terça-feira que a contração do Produto Interno Bruto (PIB) este ano pode ser maior que 5%. O Goldman Sachs revisou para queda de 7,4% a estimativa para o desempenho do PIB neste ano (frente a – 4,6% antes) e cita que o aumento de preocupações de ordem política e fiscal deve agravar a recessão.

“Além disso, o governo federal e as autoridades locais continuam discordando quanto ao escopo e à intensidade das medidas para lidar com a crise da saúde pública. Nesta fase, não está claro quando a curva viral atingirá o pico”, disse o banco, acrescentando que o Brasil é um dos epicentros globais da Covid-19.

No fim da tarde, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que, sem dúvida, o Brasil está tendo problemas com o coronavírus e que está considerando impor restrição de viagem a passageiros do país.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Fechamento de mercado, com Francine Mendes, na Forbes Money.

Uma publicação compartilhada por Forbes Brasil (@forbesbr) em

O menor apelo do real é percebido em pesquisa do Bank of America com gestores. A fatia dos que acreditam que a moeda brasileira terá desempenho melhor nos próximos seis meses caiu para “apenas” 19% na sondagem deste mês, ante 46% na do mês passado. Uma parcela de 60% vê a economia retraindo mais de 5% neste ano.

O mercado começou o dia alvoroçado com incertezas sobre se haveria negociações na B3 nos próximos dias, devido à antecipação de feriados na cidade de São Paulo. Ao longo da sessão, as instituições e o Banco Central divulgaram notas separadamente e, no fim, ficou confirmado que os principais bancos brasileiros e a B3 funcionarão normalmente nesta semana.

“E a montanha pariu um rato. Depois da megalambança… tudo continua igual”, disse no Twitter Sergio Machado, gestor na TRÓPICO Latin America Investments.

Investidores acompanharam ainda depoimento do chairman do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Jerome Powell, e do secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, a um comitê do Senado norte-americano, mas houve pouca reação nos preços dos ativos financeiros.

No exterior, o dólar caía 0,06% ante uma cesta de moedas e cedia frente a várias divisas emergentes e correlacionadas às commodities. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).