Apresentado por       

Dólar engata 6ª queda seguida e tem mínima desde abril em ajustes

Moeda norte-americana fecha a R$ 5,28, desvalorização de 1,44%

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
ReutersBruno-Domingos
ReutersBruno-Domingos

Na B3, o dólar futuro recuava 1,31%, a R$ 5,2865, às 17h09.

Acessibilidade


O dólar engatou a sexta queda consecutiva hoje (27), fechando no menor patamar desde meados de abril, com o real destoando dos principais pares emergentes e liderando ganhos nos mercados globais de câmbio conforme investidores seguiram desmontando posições em meio a ajustes de fim de mês.

O dólar à vista caiu 1,44%, a R$ 5,2828 na venda. É o menor patamar desde 17 de abril (R$ 5,2359). Em seis pregões, o dólar spot caiu 8,30%, maior queda para o período desde a série de seis sessões encerrada em 6 de janeiro de 2009 (- 9,52%), quando o mundo tentava emergir do estouro da crise financeira no ano anterior.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Na mínima desta quarta, a cotação caiu 1,66% (para R$ 5,2708) e, na máxima, teve variação positiva de 0,03%, a R$ 5,3616.

Na B3, o dólar futuro recuava 1,31%, a R$ 5,2865, às 17h09.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Operadores citaram maior influência nos negócios de operações de rolagens de contratos futuros, típicas de fim de mês, num período em que também ganha força a “disputa” pela Ptax, com comprados e vendidos em dólar puxando a moeda para patamares mais convenientes a suas posições.

A taxa de rolagem entre os vencimentos junho e julho na B3 chegou a tocar 6,6 pontos nesta quarta-feira, bem abaixo de patamares em torno de 8 pontos marcados no mesmo período do mês passado. Na prática, menor taxa de rolagem indica menor demanda por manutenção de posições na moeda, o que pode indicar menor convicção em apostas favoráveis ao dólar.

Mantido o movimento atual, o dólar caminha para fechar maio em queda, o que seria o primeiro mês de baixa em 2020. A divisa acumula desvalorização de 2,85% em maio. Ante a máxima recorde nominal – de R$ 5,9012, alcançada no último dia 13 -, a moeda tem depreciação de 10,48%.

O movimento tem ocorrido em meio a alguma melhora no fluxo cambial líquido, que está positivo em US$ 2,466 bilhões no mês até dia 22, tendo como pano de fundo percepção de alívio na cena política doméstica e maior otimismo no exterior.

VEJA TAMBÉM: Brasil já tem mais de 700 mil postos de emprego destruídos em 2020

Apesar da descompressão no câmbio, analistas do Deutsche Bank seguem vendo a moeda na casa de R$ 6 no curto prazo, em parte pelo entendimento de que tensões políticas permanecerão no radar num contexto de agravamento da pandemia no Brasil.

No curto prazo, os profissionais apontam a questão fiscal, a política monetária acomodatícia e a “quase completa ausência de crescimento” como fatores contrários ao real. “E o crescente ruído político nos leva a esperar que o dólar negocie entre R$ 6 e R$ 6,5, antes de voltar para R$ 5,5, quando as tensões políticas diminuírem”, disseram analistas em nota. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: