Gol tem prejuízo de R$ 2,3 bilhões no 1º trimestre

Os efeitos da pandemia de coronavírus tiveram pouco efeito no balanço da Gol do período

A Gol afirmou hoje (4) que tem caixa e reservas suficientes para suas operações até o final do ano, mesmo sem ter acertado até o momento um apoio financeiro de R$ 3 bilhões junto ao BNDES.

A empresa teve prejuízo líquido de R$ 2,3 bilhões nos três primeiros meses do ano, praticamente por causa da depreciação do real ante o dólar, que impacta suas despesas e custos financeiros. Um ano atrás, o prejuízo da Gol de janeiro ao fim de março havia sido de R$ 32 milhões.

LEIA MAIS: Ocupação em voos da Gol recua a 71,6% em março

Os efeitos da pandemia de coronavírus, que obrigou setor aéreo mundial a praticamente deixar grande parte de seus aviões em terra, tiveram pouco efeito no balanço da companhia do período, afirmou a Gol, que divulgou números não auditados hoje.

A empresa informou que adiou o balanço com aval de auditores para 15 de maio porque eles pediram mais duas semanas para terminar o trabalho.

No mês passado, a auditores da aérea colombiana Avianca Holdings manifestaram “substanciais dúvidas” sobre a capacidade da companhia seguir em operação daqui um ano.

No balanço não auditado de hoje, a Gol afirmou que espera reduzir a queima de caixa diária para R$ 7 milhões no segundo semestre. Se a empresa conseguir cumprir isso, terá R$ 2,6 bilhões em caixa até o final do ano.

No primeiro trimestre, o consumo diário de caixa da Gol foi de cerca de R$ 22 milhões. A empresa afirmou que espera que o número se reduza para R$ 9 milhões até o final de junho, menos que os R$ 12 milhões esperados anteriormente para o segundo trimestre.

A empresa também informou que espera que a receita do segundo trimestre seja de R$ 900 milhões, ante R$ 3,1 bilhões um ano antes. A margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) recorrente no período deve cair de 25,9% para cerca de 6%.

VEJA TAMBÉM: Gol e Azul fazem corte drástico em oferta de voos

A Gol afirmou que pretende manter oferta reduzida até o final do ano, com uma frota média no segundo trimestre de 27 aviões, para a qual espera uma taxa de ocupação aproximada de 80%.

A expectativa para a relação dívida líquida sobre Ebitda no fim de junho é de 2,9 vezes ante 2,4 vezes no final de março. No primeiro trimestre de 2019, a alavancagem era de 3,2 vezes. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).