Apresentado por       

Ibovespa recua com menor apetite a risco no exterior

Com queda de 1,49%, índice de referência do mercado acionário brasileiro fechou a 79.064,60 pontos.

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
ReproduçãoReuters
ReproduçãoReuters

O volume financeiro somou R$ 21,4 bilhões

Acessibilidade


O Ibovespa fechou em queda hoje (11), acompanhando o menor apetite global por risco, com IRB desabando quase 15% em meio a uma investigação pelo órgão regulador sobre falta de recursos em reservas técnicas, enquanto BRF saltou após balanço.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa cedeu 1,49%, a 79.064,60 pontos, após oscilar da mínima de 78.993,75 pontos à máxima de 80.722,75 pontos. O volume financeiro somou R$ 21,4 bilhões.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O recuo vem após o Ibovespa avançar quase 3% na sexta-feira (8).

No exterior, receios sobre uma segunda onda de contaminação pela Covid-19 reduziram o apetite a risco, com muitas regiões começando a reduzir as restrições de circulação de pessoas e funcionamento de atividades econômicas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Para a Elite Investimentos, as bolsas começaram a semana com preocupações de que o coronavírus ressurja em países como Coreia do Sul, “algo que prejudica os planos de reabertura econômica mesmo das nações que já passaram pelo pico da pandemia”.

Autoridades sul-coreanas relataram 35 infecções novas no país até a meia-noite de ontem (10), o segundo dia consecutivo de casos novos desta magnitude e o maior número em mais de um mês.

Na Alemanha, o Instituto Robert Koch para Controle de Doenças disse que o número de pessoas que cada doente infectado – taxa de transmissão – subiu a 1,1. Índice acima de 1 significa que o número de infecções está aumentando.

Em Wall St, o S&P 500 fechou praticamente estável.

Do cena doméstica, o estrategista para pessoa física da Santander Corretora Renato Chanes destacou a divulgação da ata da última decisão do Copom na terça-feira, e avaliou que a frente política continuará no radar dos investidores.

Um dos principais holofotes é o esperado veto do presidente Jair Bolsonaro ao reajuste dos servidores.

Analistas da Terra Investimentos também destacaram o desenrolar do depoimento do ex-ministro Sergio Moro na semana passada. “A agenda política segue carregada e gerando forte volatilidade na bolsa brasileira”, avaliam. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: