Lucro do Iguatemi cai 77,5% no 1º trimestre com efeitos da Covid-19

O lucro da Iguatemi somou R$ 12,45 milhões entre janeiro e março, queda de 77,5% ante mesma etapa de 2019

A administradora de shopping centers Iguatemi teve forte queda no lucro do primeiro trimestre, refletindo diretamente os efeitos da pandemia do coronavírus, com o fechamento do comércio em todo o Brasil em meados de março.

A companhia anunciou ontem (26) que seu lucro somou R$ 12,45 milhões entre janeiro e março, queda de 77,5% ante mesma etapa de 2019.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Já o resultado operacional do Iguatemi medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 102,9 milhões, queda de 20,5% ano a ano, porém acima da previsão média de analistas consultados pela Refinitiv, de R$ 83,8 milhões.

A margem Ebitda despencou 9,2 pontos percentuais no comparativo, anual, para 65,6%.

A receita líquida da companhia no trimestre somou R$ 156,8 milhões, declínio de 9,4% ano a ano.

O indicador de inadimplência líquida da empresa subiu 0,8 ponto, para 3,7%.

A companhia informou ter fechado março com disponibilidade de caixa de R$ 960,7 milhões, queda de 6% em ante o fim de 2019, após ter pago pela compra de participação do Praia de Belas Shopping Center, do Shopping Center Esplanada e da Maiojama Participações. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).