Telefônica Brasil tem lucro 14,1% menor no 1º trimestre

A companhia, que opera sob a marca Vivo no país, informou lucro líquido de R$ 1,15 bilhão

A Telefônica Brasil anunciou hoje (6) queda de 14,1% no lucro líquido do primeiro trimestre frente ao mesmo período do ano passado, conforme maiores despesas com impostos e depreciação ofuscaram esforços para cortar custos e a melhora do desempenho operacional.

A companhia, que opera sob a marca Vivo no país, informou lucro líquido de R$ 1,15 bilhão entre janeiro e março, abaixo do consenso de estimativas compiladas pela Refinitiv, de R$ 1,34 bilhão.

LEIA MAIS: Telefônica Brasil cede ao governo de SP dados de deslocamento para controle do coronavírus

Já o desempenho operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) cresceu 3,4% ano a ano, para R$ 4,5 bilhões, superando a previsão de R$ 4,33 bilhões, também conforme dados da Refinitiv. A margem Ebitda subiu a 41,6% ante 39,7% no primeiro trimestre de 2019.

Controlada pelo grupo espanhol Telefónica, a Vivo teve redução de 1,4% na receita operacional líquida, para R$ 10,8 bilhões, após quedas tanto no serviço móvel quanto no fixo, além de menores vendas de aparelhos.

Ao mesmo tempo, os custos operacionais encolheram 4,5% no trimestre encerrado em 31 de março, para R$ 6,3 bilhões, refletindo contínuos esforços de automação e digitalização da companhia.

A Vivo registrou 93,1 milhões de acessos ao fim de março, queda de 2% sobre igual intervalo de 2019, à medida que uma retração de 14,6% na base de telefonia fixa mais que compensou um crescimento de 1,7% no segmento móvel, onde a participação de mercado da empresa chegou a 33% no Brasil.

A base de clientes pós-pago da operadora cresceu 6,6% no primeiro trimestre, para 43,7 milhões, representando 58,5% to total de usuários no negócio móvel da Vivo.

A companhia investiu R$ 1,65 bilhão entre janeiro e março, 2,8% menos na comparação anual, direcionando os recursos à expansão da chamada rede FTTH que leva fibra óptica até as residências, além da cobertura 4G e 4.5G.

As ações da Telefônica Brasil caíram mais de 13% até agora neste ano, superando a queda de cerca de 10% da rival TIM Participações, que na véspera também apresentou lucro líquido menor que o esperado pelo mercado diante da estagnação das receitas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).