Usiminas reporta prejuízo líquido de R$ 424 milhões no 1º trimestre

O Ebitda ajustado da companhia atingiu R$ 569 milhões de janeiro a março

A Usiminas anunciou hoje (22) prejuízo líquido de R$ 424 milhões no primeiro trimestre, ante lucro de R$ 76 milhões no mesmo período de 2019, em meio a um resultado financeiro negativo afetado por perdas cambiais.

O indicador de geração de caixa (Ebitda) ajustado da companhia atingiu R$ 569 milhões de janeiro a março, alta de 17% na comparação anual.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Já as vendas de minério de ferro da Usiminas cresceram 17% no período, para 2,2 milhões de toneladas, enquanto as vendas de aço alcançaram 1 milhão de toneladas, aumento de 4%.

Segundo a Usiminas, o resultado financeiro do primeiro trimestre foi negativo em R$ 858 milhões, principalmente em função de perdas cambiais de R$ 775 milhões no período, em razão da desvalorização do real frente ao dólar.

A dívida líquida consolidada em 31 de março era de R$ 3,6 bilhões, uma elevação de 11,5% em relação ao final de 2019, principalmente pelo impacto do câmbio.

Em comunicado separado, a Usiminas informou na noite de ontem (21) que o seu conselho de administração aprovou a eleição de Sergio Leite de Andrade para o cargo de diretor presidente; e Alberto Ono, para o cargo de diretor vice-presidente de Finanças e Relações com Investidores, para um mandato até a assembleia geral ordinária em 2022.

Americo Ferreira Neto foi aprovado como diretor vice-presidente Industrial; Kohei Kimura para o cargo de diretor vice-presidente de Tecnologia e Qualidade, e Miguel Camejo para o cargo de diretor vice-presidente Comercial. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).