Dólar tem maior alta semanal desde maio com noticiário político doméstico e receios sobre Covid-19

No dia, porém, moeda norte-americana fechou em queda de 0,99%, a R$ 5,3182 na venda

Blog da Redação
Compartilhe esta publicação:
ReutersConnect/Rahel Patrasso
ReutersConnect/Rahel Patrasso

Casa de câmbio em São Paulo (SP)

Acessibilidade


O dólar fechou em firme queda ante o real hoje (19), com investidores aproveitando o declínio da moeda no exterior para realizar lucros depois de um rali da cotação ao longo desta semana.

A moeda norte-americana à vista caiu 0,99%, a R$ 5,3182 na venda. A moeda oscilou entre alta de 0,21%, a R$ 5,3830, e queda de 1,54%, para R$ 5,2887.

LEIA MAIS: Metalfrio estuda oferta primária de ações

Na semana, a divisa subiu 5,41%, maior alta desde a semana finda em 8 de maio (+5,56%), em meio a um noticiário político local ainda tenso. Até a véspera, o ganho era ainda mais forte, de 6,46% em apenas quatro sessões.

Em junho, o dólar cai 0,42%. Em 2020, salta 32,53%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O dólar foi às máximas do dia perto das 11h, teve breve alívio na sequência para depois voltar a ganhar força por volta de 13h.

Em torno de 13h20, a moeda embicou para baixo e passou a bater mínima atrás de mínima, seguindo o enfraquecimento do dólar ante outras divisas emergentes após notícia de que a Apple voltará a fechar algumas lojas nos Estados Unidos por causa de aumento no número de novos casos de coronavírus no país. A informação reforçou temores sobre efeitos econômicos de uma segunda onda de Covid-19 nos EUA e corroborou recentes falas de membros do Fed de que provavelmente serão necessários mais estímulos para ajudar na recuperação da economia norte-americana.

O dólar cedia 0,7% ante o peso mexicano no fim da tarde, 1% contra o rand sul-africano e também 0,7% comparado ao rublo russo. A alta das commodities ajudou nesse movimento.

O Bank of America revisou recentemente a projeção para o dólar no fim do ano de R$ 5,85 para R$ 5,40, citando justamente a política monetária “extremamente expansiva” nos EUA e na Europa. Mas analistas do banco ponderam que a decisão de juros do Fed neste mês provavelmente marcou o fim do rali de ativos de risco, com expectativas de que as moedas comecem a refletir maior prêmio de risco em linha com a deterioração dos fundamentos.

E, para Roberto Serra, gestor sênior na Absolute Investimentos, o movimento do real nesta semana mostra que as forças de depreciação para a divisa brasileira ainda estão presentes. “Vejo o real em tendência de piora, seja pela curva de juros, pela situação do Brasil como um todo, seja pelo fiscal”, afirmou. “Não acho que seja o caso de uma depreciação forte em pouco tempo, mas de uma tendência de perda de valor ao longo do tempo. Com a fotografia de hoje, é difícil pensar no Brasil entrando num ciclo sustentável de crescimento robusto”.

LEIA TAMBÉM: Investidores europeus ameaçam desinvestir no Brasil devido a desmatamento

O Banco Central cortou a taxa básica de juros, a Selic, em 0,75 ponto percentual na última quarta-feira e sinalizou chance de mais afrouxamento residual. Com isso, o diferencial de juros do Brasil com o mundo tende a diminuir mais, piorando a relação risco/retorno e desestimulando ingresso de capital para renda fixa do país.

No cenário político, a semana foi marcada por uma série de episódios desgastantes para o governo Jair Bolsonaro, incluindo a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do filho do presidente Flávio Bolsonaro, a validação do inquérito das fake news pelo Supremo Tribunal Federal e a saída do governo do controverso ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: